ArtigosCriminologia

Implicações da Criminologia na discriminação de pessoas com deficiência

implicações da Criminologia

Implicações da Criminologia na discriminação de pessoas com deficiência

Ao longo do tempo, desde a origem da Criminologia, não se pôde constatar uma unicidade doutrinária, pois não é observada uma padronização cientifica, já que existem diversas abordagens para adequá-la em um determinado local e período, conforme revelam estudos (PENTEADO FILHO, 2012).

Durante seu percurso histórico a Criminologia passou por vários conflitos teóricos travados por correntes como a Clássica, Positiva e Eclética. Ressalta-se ainda que escolas pertencentes ao mesmo seguimento ideológico distinguia preceitos científicos.

A primeira tinha como objeto de estudo a relação do direito de punir, com os problemas gerados pelo crime e sua punição (BITENCOURT, 2012). Neste sentido, Penteado Filho (2012) destaca a fundamentação da corrente clássica nas teorias utilitaristas, de Rousseau, e direito natural, de Grócio.

Já a segunda corrente baseava-se em princípios iluministas dos fisiocratas como foi exposto por Penteado Filho (2012). A escola positivista tinha como uma de suas características a sistematização de dados dos delitos e delinquentes (BITENCOURT, 2012).

Neste sentido, o contexto das escolas ecléticas apresenta características que possibilitam relacionar distintos paradigmas inerentes à historicidade das pessoas com deficiência e em diversos contextos sociais. Identifica-se no rol de escolas ecléticas a Terza Scuola italiana, a escola moderna alemã ou escola de política criminal, a qual teve com um de seus representantes Von Liszt, que adotava o método descritivo e classificatório que considerava a realidade empírica com nuances naturalistas (BITENCOURT, 2012).

Implicações da Criminologia na discriminação de pessoas com deficiência

O presente texto tem como foco o estudo da tipicidade da discriminação contra PCD (Pessoa com Deficiência). Conforme conceitua Shecaira (2012, p. 36), a Criminologia consiste em uma ciência cujos pilares podem impulsionar a implementação de um paradigma que reconheça as diferenças como fator intrínseco à dinâmica social.

A CDPD (Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência) conceitua discriminação e explicita a não discriminação como princípio. Nessa perspectiva reflete-se: qual a relação da ciência total do Direito Penal e a discriminação de PCD? Para elucidar tal problematização busca-se compreender as implicações provenientes da relação dos pilares da Criminologia com o delito de discriminação deste segmento.

Desprendendo-se de um método específico, descreve-se empiricamente aspectos inerentes à discriminação de PCD, origem, causas e analisa-se o panorama da política criminal relacionada ao delito. O resumo será fundamentado em leis que seguem a perspectiva da CDPD e baseia-se em autores que abordam a corrente criminológica eclética exposta por Franz von Liszt.

Seguindo essa corrente, Molina e Gomes (2002, p. 164-165) consideram que os três pilares do sistema das ciências criminais, inseparáveis e interdependentes são: Criminologia, Política Criminal e Direito Penal.

Partindo da dogmática penal e dos seus requisitos que caracterizam o crime, observa-se a origem da discriminação de PCD na Lei 13.146/2015, em seu artigo 88:

Art. 88. Praticar, induzir ou incitar discriminação de pessoa em razão de sua deficiência:

Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.

A discriminação fazia parte dos costumes sociais de determinadas épocas, por exemplo, o extermínio de pessoas com deficiência na antiguidade (FONSECA, 2000, p. 482). Esse contexto modificou-se através da luta das PCD alcançando-se a tipicidade da discriminação.

Marques (1997, p. 42) destaca que a ótica da dogmática penal fica restrita ao direito positivo. Ao analisar a referida ciência verifica-se sua circunscrição à resolubilidade de conflitos, existindo uma intervenção tardia, pois se limita à aplicação do tipo penal ao caso concreto.

Molina e Gomes (2002, p. 39) acrescentam que a criminologia apoia-se na gênese do crime, pois estuda suas causas empiricamente. Estas decorrem de barreiras sociais, impedindo a fruição dos direitos em igualdade de condições com os demais (BARBOSA, 2017, online).

Seguindo o contexto da escola italiana, a política criminal constitui um instrumento que direciona o combate e a prevenção de delitos (MIRABETE, 2011, p. 14). Corroborando, Baratta (2002, p. 201) acrescenta que a política criminal configura uma estratégia para a transformação social. Esse pilar da Criminologia estabelece uma ferramenta na redução do delito. Assim, a tipicidade de discriminação de PCD impulsiona a efetivação de seus direitos fundamentais.

Constatou-se que a discriminação originou de aspectos relacionados à historicidade das PCD e a tipicidade não é suficiente para extinguir esta violência. Como consequência, faz-se necessária a compreensão de suas causas e políticas direcionadas à prevenção da reincidência do fato delituoso.

Consideram-se vitais estudos criminológicos relativos à discriminação de PCD devido à política minimalista presente no sistema penal brasileiro, o que é evidenciado no artigo 77 do Código Penal (BRASIL, 1940) e na Lei 9.099/95 em seu artigo 76 (BRASIL, 1995). Esse contexto mínimo colabora com a recorrência de atos discriminatórios, obstaculizando a fruição dos direitos humanos nesta perspectiva.


REFERÊNCIAS 

BARATTA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal: introdução à sociologia do Direito Penal. 3. Ed. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

BARBOSA, Anderson. ‘Discriminação é a pior violência no mercado de trabalho’, afirma jovem com deficiência. Disponível aqui.

FONSECA, M. – Proteção Jurídica dos Portadores de Deficiência – In: IBAP – Instituto Brasileiro de Advocacia Pública & Editora Esplanada ADCOAS, São Paulo, Dezembro de 2000.

MARQUES, José Frederico. Tratado de Direito Penal, 1ª ed. v. 1. Campinas: Bookseller, 1997.

MIRABETE, Julio Fabbrini. FABBRINI, Renati N. Manual de Direito Penal. 27. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MOLINA, Antonio García-Pablos de; GOMES, Luiz Flávio. Criminologia. 4. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Assembléia Geral das Nações Unidas, 6 de dezembro de 2006. Disponível aqui.

SCHECAIRA, Sergio Salomão. Criminologia. São Paulo: Revista dos tribunais, 2012.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais, incluindo novos textos sobre as implicações da Criminologia na discriminação de pessoas com deficiência? 

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Isabelle Lucena Lavor

Advogada (CE) e Professora
Continue lendo
Receba novidades em seu e-mail