Noticias

Saiba quanto os influencers presos ganhavam para divulgar o jogo do tigre

Nas redes sociais, a vida era luxuosa e cheia de glamour. Pelo menos é assim que Eduardo Campelo, Gabriel, Ezequiel e Ricardo apareciam em suas postagens. Mas, por trás dos sorrisos e dos cenários de sonhos, uma realidade bem diferente: eles foram contratados para promover uma plataforma de jogos ilegais. Agora, todos são investigados pela exploração desses jogos de azar, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Sob alcunha de ‘Jogo do Tigre’, a quadrilha atuava principalmente na cidade de Curitiba. Os quatro influenciadores davam dicas sobre as práticas dos jogos, realizavam promoções, rifas eletrônicas e, segundo a polícia, recebiam entre R$10 a R$30 para cada novo usuário cadastrado nessa plataforma. E a farra do dinheiro fácil não se resumia apenas ao quarteto: a estimativa é de que o esquema criminoso movimentou cerca de R$12 milhões em apenas seis meses.

canalcienciascriminais.com.br saiba quanto os influencers presos ganhavam para divulgar o jogo do tigre influencers jogo tigre
Imagem: Reprodução/TV Globo

Leia mais:

Embaixador revela: 74 brasileiros presos em zona de conflito aguardam resgate em Gaza

Como a Polícia Federal chegou em Alexandre Pires na operação contra garimpo ilegal?

Como Eduardo, Gabriel, Ezequiel e Ricardo atraíam novos jogadores?

Um dos principais atrativos era a ostentação realizada nas redes sociais. O quarteto compartilhava com seus cerca de 1 milhão de seguidores suas vidas de luxo, alimentando a ilusão do dinheiro fácil comprou por campanhas de sete dias que chegavam a render entre R$ 5 mil e R$ 15 mil. Para chamar ainda mais atenção, eles criavam promoções arriscadas como rifas eletrônicas e distribuição de prêmios, como certa vez em que anunciaram a distribuição de R$ 8 mil em gasolina para motoboys de um posto em Curitiba.

Os influenciadores presos com o ‘Jogo do Tigre’ são culpados?

Eduardo, Gabriel e Ricardo foram presos em 19 de novembro, com carros de luxo e dólares em espécie apreendidos. Ezequiel, entretanto, ainda não foi encontrado. Apesar das evidências contundentes, a defesa da trinca presa alega que eles são inocentes e não têm controle sobre a plataforma ilegal de jogos. Eles foram soltos na última quarta-feira, 29 de novembro, mas continuam sob investigação.

Esse caso vem como um alerta para a galera que adora uma aposta online: é preciso ter cuidado para não se deixar seduzir por promessas de fortuna fácil e acabar envolvido em um esquema ilegal de exploração de jogos de azar. Resta aos seguidores desses influenciadores a dura lição de que nem tudo que reluz nas redes sociais pode ser considerado ouro.

Redação

O Canal Ciências Criminais é um portal jurídico de notícias e artigos voltados à esfera criminal, destinado a promover a atualização do saber aos estudantes de direito, juristas e atores judiciários.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo