Noticias

Famoso influenciador é expulso da PM por crime eleitoral

Kleverton Pinheiro de Oliveira, também conhecido como Kel Ferreti, um policial militar, foi expulso da corporação por envolvimento em crime eleitoral. Durante as eleições de 2022, Kel postou um vídeo nas suas redes sociais mostrando seu voto dentro da cabine de votação.

A decisão de expulsão foi oficializada no Boletim Geral Ostensivo (BGO) da Polícia Militar de Alagoas na última segunda-feira (11). O advogado do empresário afirmou que irá apelar da decisão.

influenciador kel ferreti
Reprodução: BOL – UOL

Leia mais:

Novos desdobramentos criminosos vieram à tona no caso Renato Cariani, revela a PF; confira

Polícia prende um dos criminosos mais procurados do Brasil; veja quem

Expulsão do influenciador

Essa medida resultou de um parecer unânime do colegiado responsável pela investigação do caso. O comandante geral da PM, coronel Paulo Amorim, mencionou que o militar desobedeceu às instruções dos mesários ao não deixar o telefone antes de adentrar a cabine de votação. Ele gravou os votos para Governador e Presidente da República.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) proibiu expressamente o uso de celulares e outros dispositivos eletrônicos, como câmeras fotográficas, durante o ato de votar. O TSE determinou que o eleitor deve entregar o celular ao mesário antes de entrar na cabine de votação, mesmo que esteja desligado.

Logo após a divulgação do vídeo em outubro de 2022, a Polícia Federal anunciou a abertura de um inquérito para investigar a gravação e a divulgação das imagens. Na época, o empresário e influenciador alegou não ter cometido nenhum crime, embora não tenha confirmado nem negado ter divulgado o vídeo do momento da votação.

Histórico

Esta não foi a primeira vez que a Corregedoria da PM investigou a conduta de Kel Ferreti. Em 2018, ele prestou depoimento no Conselho Estadual de Segurança Pública (Conseg) após publicar um vídeo realizando manobras perigosas em uma avenida da capital enquanto celebrava o desligamento dos radares eletrônicos. Após a repercussão, o militar afirmou que tudo não passava de uma brincadeira.

Em 2016, Ferreti enfrentou acusações por ter dançado fardado e foi sentenciado a 10 dias de detenção. O caso foi encaminhado para a Justiça Militar.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo