Noticias

MPF solicita que inquérito sobre plano de matar Sergio Moro vá para Justiça de SP

O Ministério Público Federal (MPF) solicitou à 9ª Vara Federal de Curitiba que a investigação sobre o plano do Primeiro Comando da Capital (PCC) de sequestrar e matar o senador Sergio Moro e outros agentes públicos, seja enviado para a Justiça comum de São Paulo. A manifestação foi assinada pelo procurador da República José Soares.

Sergio Moro
Senador Sergio Moro, alvo de plano arquitetado pelo PCC

Para MPF, o caso envolvendo o plano do PCC contra Sergio Moro é de competência da justiça estadual

A Polícia Federal impediu nos últimos dias um plano arquitetado pelo PCC contra a vida do Senador Sergio Moro. Por se tratar de um agente político federal, o caso era apurado no âmbito da esfera federal. No entanto, o promotor que está a frente do caso, José Soares, entendeu que, tendo em vista que o atentado contra o parlamentar não se concretizou o caso deve ser apurado pelas autoridades estaduais do estado de São Paulo.

Por causa das medidas cautelares adotadas por esse Juízo Federal, o crime federal planejado e preparado não chegou a ser tentado. A tentativa era prevista pela Polícia Federal, mas sua não ocorrência acabou por tornar esse Juízo Federal incompetente para o restante da investigação”, defendeu o promotor.

José Soares destacou ainda que a competência é da justiça de São Paulo em razão ao vínculo com o estado dos membros do PCC que foram presos pelo plano de atacar Moro.

“Impõe-se que a competência para os crimes remanescentes (todos estaduais: organização criminosa e posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso permitido ou restrito; e também para os supostos crimes de lavagem dinheiro descobertos depois) seja declinada para a Justiça Estadual de São Paulo (e não para a Justiça Estadual do Paraná), perante a qual atua o Gaeco do Ministério Público Estadual de São Paulo (…)” destacou por fim o procurador.

Fonte: R7

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo