- Publicidade -

Interrogatório policial realizado sem a presença de advogado é anulado pela Justiça

Em decisão proferida pela 1ª Vara Privativa do Tribunal do Júri do Foro Central de Curitiba, o interrogatório policial realizado sem a presença de advogado é considerado nulo. Com base nesse entendimento, o interrogatório policial realizado em horário noturno e sem a presença de advogado foi anulado.

- Publicidade -

Interrogatório sem a presença de advogado

De acordo com o caso, um dos acusados foi denunciado por participar na morte de um agente penitenciário e, durante a fase do Inquérito Policial, foi interrogado pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil.

No entanto, o acusado era representado pelos advogados do escritório Dalledone & Advogados Associados, mas nenhum defensor estava presente no interrogatório realizado por volta das 23:00 horas

Diante disso, a magistrada Mychelle Pacheco Cintra Stadler utilizou com base do seu fundamento o artigo 18 da Lei de Abuso de Autoridade, que tipifica como delito o interrogatório policial noturno, com exceção do investigado que tenha sido capturado em flagrante ou que tenha consentido em prestar declarações, desde que seja acompanhado de defensor.

- Publicidade -

Apontou a juíza que: 

Se a lei impede a realização de interrogatório policial do preso no período noturno, trata-se de obrigação da autoridade policial não praticar tal ato, não podendo aqui o sujeito passivo de tal crime (que também pode ser considerando o Estado), ‘abrir mão’ da prerrogativa de não ser interrogado no período noturno e bem como de ter a presença de seu advogado.

Depreende-se do vídeo do interrogatório, que o Delegado responsável ressaltou que o preso manifestou o desejo de ser interrogado e também tinha constituído advogado, a “despeito do avançado da hora e da ausência do seu defensor constituído”, destacou Stadler.

Nesse sentido, a magistrada declarou a nulidade relativa apenas do interrogatório, mantendo-se os demais elementos de prova produzidos.

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Canal Ciências Criminais

- Publicidade -

Leia mais:

Segundo o PGR, recusa ao bafômetro não presume embriaguez


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia Mais