Noticias

Irmã de ministro do STF é agredida na rua; entenda o caso

A Polícia Civil de São Paulo está conduzindo uma investigação sobre a agressão ocorrida na tarde de segunda-feira (16) em Perdizes, Zona Oeste da cidade. O alvo do ataque foi Caroline Zanin, a irmã do Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Cristiano Zanin.

Agressão foi capturada pelas câmeras de segurança

O ataque, registrado por uma câmera de segurança, mostra a agressão à advogada Caroline Zanin, de 43 anos, que no momento do ocorrido, estava parada em frente a um edifício com seus dois cães. Um homem de camisa verde e bermuda preta a atacou, desferindo chutes contra ela e seus animais de estimação.

canalcienciascriminais.com.br irma de ministro do stf e agredida na rua entenda o caso irma de ministro do stf

Leia mais:

8 de janeiro: mais seis réus são condenados pelo STF

Armas desviadas do Exército podem derrubar aeronaves e desestabilizar a segurança pública do país

Boletim de ocorrência e depoimento da irmã do ministro

Caroline Zanin registrou um boletim de ocorrência no 23ª Distrito Policial. Em seu depoimento, ela descreveu o ocorrido, declarando que, após passear com seus cachorros, ao retornar ao prédio onde mora, um homem se aproximou e a ameaçou antes de atacá-la com ao menos seis chutes. Os cachorros também foram alvos dos ataques e ficaram feridos.

Autor identificado e motivações políticas suspeitas

O momento do ataque foi capturado por uma câmera de segurança. No vídeo, o homem caminha pela calçada do edifício da vítima, e logo em seguida, as agressões começam.

Assista ao vídeo:

A Polícia Civil localizou e identificou o agressor como Rogério Cardoso Júnior, um representante comercial de 64 anos e morador de Perdizes. O autor foi interrogado nesta quarta-feira (18).

As motivações do ataque ainda não estão claras e a hipótese de motivações políticas foi levantada, tendo em vista que Caroline Zanin é irmã de Cristiano Zanin, advogado que já representou o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e atualmente ocupa uma posição no Supremo Tribunal Federal. Contudo, a Polícia Civil descartou essa possibilidade.

O caso segue sendo investigado pela 23ª Distrito Policial e em um comunicado oficial emitido pela Secretaria de Segurança Pública, a ocorrência foi registrada como lesão corporal e abuso de animais.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo