Noticias

“Japa”, viúva de líder de facção, é presa acusada de lavagem de dinheiro em SP

A Polícia Civil de São Paulo (PC-SP) prendeu Karen Yumi Ogawa, conhecida como ‘Japa’, acusada de lavagem de dinheiro para uma facção criminosa. A operação foi realizada no bairro Tatuapé, na capital paulista.

De acordo com as investigações, iniciadas em junho de 2023, ‘Japa’ é apontada como uma das principais responsáveis pela lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas para a facção. No local de sua prisão, foram apreendidos R$ 1 milhão e 50 mil dólares, além de um veículo da marca Audi.

japa
Foto: Matheus Croce/TV Tribuna

Leia mais:

Operação em combate ao crime organizado abala Viçosa e região em Minas Gerais

Mãe de adolescente condenado por massacre em escola é julgada culpada

Operação de investigação e apreensão

“Ela fazia a lavagem de dinheiro através de diversas empresas ‘laranjas’. Pegava esse dinheiro e o fazia circular. Os relatórios de informações financeiras apontam para movimentação de milhões de reais”, explicou o delegado geral, Artur José Dian.

Foram cumpridos três mandados de busca: um em uma residência em Bertioga (SP), outro em um escritório virtual onde ‘Japa’ realizava os acordos de lavagem de dinheiro, e o último em seu apartamento no Tatuapé, em São Paulo.

‘Japa’ é viúva de criminoso

‘Japa’ é viúva de Wagner Ferreira da Silva, também conhecido como ‘Cabelo Duro’. O homem era suspeito de participar de roubos em marinas de luxo no litoral paulista e do assassinato de um policial militar.

A polícia ainda investiga se Wagner desviou dinheiro ou estava envolvido em homicídios de outros membros da facção.

Suspeito de matar policial é identificado

Durante a operação, a identidade do suspeito de matar o policial militar Samuel Wesley Cosmo foi divulgada. Trata-se de Kaique Coutinho do Nascimento, de 21 anos, conhecido como ‘Chip’, que possui antecedentes criminais por tráfico de drogas e está foragido da Justiça.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP) solicitou a colaboração da população para obter informações sobre o paradeiro de Kaique, com uma recompensa de R$ 50 mil oferecida para quem colaborar com informações que levem à sua prisão.

Como fazer a denúncia?

A denúncia pode ser feita de forma anônima pelo número 181 ou pelo site do WebDenúncia. O denunciante recebe um número de protocolo para acompanhar o andamento da denúncia e, se a informação for confirmada, a pessoa que forneceu recebe a recompensa através de um cartão bancário virtual, permitindo saques do valor em qualquer caixa eletrônico do Banco do Brasil.

Fonte: G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo