ArtigosDireito Penal Econômico

Lavagem de dinheiro ou exaurimento do crime anterior?

lavagem de dinheiro

Lavagem de dinheiro ou exaurimento do crime anterior?

Em 1988, através da Convenção de Viena, surgiu a denominada “primeira geração” da lavagem de dinheiro, quando vários países uniram-se no combate do narcotráfico e do seu financiamento.

Logo em seguida, em 1991, o Brasil aderiu à Convenção de Viena e em 1998 foi sancionada a Lei nº 9.613, a qual deu ensejo à “segunda geração” de lavagem de dinheiro.

Esta Lei ampliou a relação dos delitos precedentes configuradores do crime de lavagem de dinheiro, fazendo-o através do seu artigo 1º, que estabelecia:

Art. 1º. Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de crime:

I – de tráfico ilícito de substâncias entorpecentes ou drogas afins;

II – de terrorismo;

III – de contrabando ou tráfico de armas, munições ou material destinado à sua produção;

IV – de extorsão mediante sequestro;

V – contra a Administração Pública, inclusive a exigência, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, de qualquer vantagem, como condição ou preço para a prática ou omissão de atos administrativos;

VI – contra o sistema financeiro nacional;

VII – praticado por organização criminosa.

Pena: reclusão de três a dez anos e multa.

Na época em que vigorava o artigo supracitado, o crime de lavagem de dinheiro somente se tipificava quando o delito precedente ao da lavagem de dinheiro – do qual provinha o patrimônio ocultado ou dissimulado – fosse um dos delitos listados nos incisos acima.

Este tipo penal vigorou até a data de 10/07/2012, quando foi revogado pela novel Lei nº 12.683/12, que alterou o artigo 1º e estabeleceu a “terceira geração” de lavagem de dinheiro ao não limitar a espécie de crime precedente, passando a ter o seguinte teor:

Art. 1º Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

I – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

II – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

III – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

IV – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

V – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

VI – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

VII – (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

VIII – (revogado). (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012)

Pena: reclusão, de 3 (três) a 10 (dez) anos, e multa. (Redação dada pela Lei nº 12.683, de 2012).

Assim, atualmente o crime de lavagem de dinheiro pode ter como antecedente qualquer espécie delitiva, conceituando-se como “o ato ou o conjunto de atos praticados por determinado agente com o objetivo de conferir aparência lícita a bens, direitos ou valores provenientes de uma infração penal” (DE LIMA, 2017, p. 474).

Segundo o Grupo de Ação Financeira Sobre Lavagem de Dinheiro (GAFI), a lavagem de dinheiro envolve três etapas: 1ª Fase – COLOCAÇÃO (placement); 2ª Fase – DISSIMULAÇÃO OU MASCARAMENTO (layering); e 3ª Fase – INTEGRAÇÃO (integration).

A primeira fase – colocação – corresponde ao ato de introduzir o capital ilícito no sistema financeiro, obstaculizando que se identifique a sua origem e a sua vinculação com o crime precedente.

A segunda fase – dissimulação – envolve a prática de atos voltados a evitar que se rastreie o capital ilícito, para impedir a sua localização.

E, finalmente, na terceira fase – integração – o capital ilícito é definitivamente integrado ao sistema financeiro sem que se saiba a sua verdadeira origem criminosa.

A jurisprudência pátria se posiciona no sentido de que a configuração do crime de lavagem de dinheiro não exige a perfectibilização das três fases acima citadas (STF, 1ª. Turma, no HC 80.816/SP, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, j. 18.06.2001, DJ 18.06.2001), sendo desnecessária a prática de atos complexos e o uso da rede bancária.

Assim, para a nossa jurisprudência a configuração delitiva se dá com a prática de ato de mascaramento do capital proveniente de crime antecedente.

No entanto, o ato de mascaramento de capital ilícito não pode ser confundido com o uso aberto do produto do crime, prática esta que corresponde apenas ao exaurimento do delito anterior.

Deste modo é imprescindível que ocorra o mascaramento do capital obtido ilicitamente, tendo em vista que o crime de lavagem de dinheiro configura-se por condutas que objetivam desvincular o capital da sua origem ilícita, condutas estas ausentes quando ocorre o uso aberto do produto do crime.

Neste sentido, GUSTAVO HENRIQUE BADARÓ cita que o depósito dos cheques na própria conta bancária do autor do crime antecedente, como também a compra de imóvel ou outro bem, representa uso aberto do produto do crime, correspondendo ao mero exaurimento do crime antecedente:

O tipo objetivo do art. 1.0, caput, na forma de ocultação ou dissimulação exige, portanto, algum ato de mascaramento do valor procedente da infração. O uso aberto do produto do crime não caracteriza a lavagem.’ Se o agente utiliza o dinheiro procedente da infração para comprar imóvel, bens, ou o deposita em conta corrente, em seu próprio nome, não existe o crime em discussão. O mero usufruir do produto infracional não é típico. Aquele que se propõe a praticar uma infração penal com resultado patrimonial o faz, em regra, com a intenção de gastar em proveito próprio os bens adquiridos. Trata-se de mero aproveitamento do produto do crime, ato irrelevante para a administração da Justiça.

Na mesma linha é a doutrina de Renato Brasileiro DE LIMA (p. 496, 2017),

Isso significa dizer que o uso aberto do produto da infração antecedente não caracteriza a lavagem de capitais. Logo, se determinado criminoso utiliza o dinheiro obtido com a prática de crimes patrimoniais para comprar imóveis em seu próprio nome, ou se gasta o dinheiro obtido com o tráfico de drogas em viagens ou restaurantes, não há falar em lavagens de capitais.

Neste mesmo sentido, Gustado Henrique BADARÓ (2013, p. 67) ensina que a simples ocultação do capital, caso objetive o futuro uso aberto do mesmo, não enseja a tipificação de lavagem de dinheiro, através do seguinte exemplo:

Se alguém rouba um banco e enterra o dinheiro para depois usá-lo para aquisição de bens para consumo pessoal, como carros ou imóveis, oculta o dinheiro do ponto de vista objetivo, mas não há tipicidade de lavagem de dinheiro porque sua intenção não é a reciclagem do capital, mas apenas exaurir o crime antecedente.

O uso aberto do produto da infração não afasta apenas a tipicidade objetiva, como também se mostra incompatível com a tipicidade subjetiva do delito de lavagem de dinheiro, cuja configuração exige a presença do dolo específico, consistente na vontade de reciclar o capital sujo.

Nesta linha de raciocínio, não há lavagem de dinheiro na prática do sujeito ativo dos crimes de furto, roubo, estelionato, corrupção ativa, concussão, etc, nas hipóteses de efetuarem o depósito do produto de tais crimes na sua própria conta bancária.

E o mesmo também se aplica em relação aos proventos auferidos com a prática desses delitos antecedentes, pela aquisição de bens (móveis e imóveis) em seu nome.

Idêntica solução também se aplica ao advogado que recebe em sua conta bancária honorários advocatícios por serviços efetivamente prestados, com a emissão de nota fiscal eletrônica.

Em tais exemplos, as transparências das condutas são incompatíveis com a tipicidade objetiva e subjetiva do crime de lavagem de dinheiro, eis que ausentes o mascaramento e a vontade de reciclar.

Diante de tais considerações, abre-se importante possibilidade de argumentação no sentido de impedir que sejam tipificadas como crime de lavagem de dinheiro aquelas situações em que o sujeito ativo se aproveita do resultado por meio de condutas transparentes.


REFERÊNCIAS

BADARÓ, Gustavo Henrique. Lavagem de Dinheiro: aspectos penais e processuais penais. 2. ed. São Paulo: RT, 2013.

DE LIMA, RENATO BRASILEIRO. Legislação Criminal Especial Comentada. Salvador: JusPODIVM, 2017.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Advogado criminalista
Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail