NoticiasCrime, Arte e Literatura

Novo Linha Direta: Além de Eloá, Caso Henry e Barbárie de Queimadas estarão no true crime

Depois de 15 anos, o programa de televisão “Linha Direta” está de volta, agora apresentado por Pedro Bial. O programa seguirá o mesmo formato clássico, apresentando a cada episódio um caso de crime que já foi solucionado pela justiça e outro caso em aberto, onde o público pode fornecer informações por meio do disque-denúncia.

Leia mais:

Em prantos, Bolsonaro afirma que operação da PF em casa foi para “ESCULACHAR”

Combatendo violência nas escolas: segurança armada não é a solução – alternativas preventivas

O “Linha Direta” foi pioneiro no gênero “true crime” na televisão brasileira e fez sucesso nas décadas de 1990 e 2000.

O programa voltará a ser exibido nas noites de quinta-feira na TV Globo, e trará inovações tecnológicas, como a apresentação de laudos de perícia em 3D e imagens de vídeos de câmeras de segurança e celulares, abordando temas importantes como feminicídio, violência contra crianças, racismo, LGBTfobia e golpes virtuais.

Pedro Bial entrevistará parentes de vítimas e figuras-chave das investigações no estúdio. O programa irá reconstituir alguns casos de crimes notórios, entre eles o caso de Eloá Cristina Pimentel.

Em 2008, a jovem foi mantida em cativeiro por mais de 100 horas em seu próprio apartamento pelo seu ex-namorado, Lindemberg Alves Fernandes. Lindemberg invadiu o apartamento armado depois que Eloá terminou o relacionamento e estava estudando com três amigos.

Após libertar dois amigos de Eloá, o sequestrador manteve a jovem e sua amiga Nayara como reféns. Infelizmente, após vários dias de cerco policial, a situação terminou de forma trágica. Lindemberg disparou contra as jovens, matando Eloá com dois tiros e ferindo Nayara gravemente.

Outro caso que será reconstituído no programa será a Barbárie de Queimadas. Durante uma festa de aniversário em Queimadas, na Paraíba, em fevereiro de 2012, cinco mulheres foram vítimas de um estupro coletivo e duas delas foram mortas pelos agressores.

Luciano e Eduardo dos Santos Pereira, juntamente com outros cinco homens e três adolescentes, teriam planejado o abuso sexual das mulheres. Eles compraram cordas e lacres para prender as vítimas e usaram a desculpa de um assalto para rendê-las. Encapuzados, eles renderam cinco das sete mulheres presentes na festa e duas outras pessoas que não estavam envolvidas no crime.

As únicas mulheres que não foram molestadas foram as esposas de Eduardo e Luciano. Izabella e Michele foram levadas pelos estupradores e mortas a tiros.

Eduardo foi condenado a 108 anos de prisão em 2014, mas conseguiu escapar da prisão em 2020, enquanto Luciano continua cumprindo uma sentença de 44 anos em regime fechado.

Um crime que chocou a opinião pública e foi inicialmente investigado como uma morte acidental é a do menino Henry, de 4 anos

O assassinato do menino Henry Borel Medeiros, de apenas 4 anos, também será reconstituído no programa. Esse crime chocou a opinião pública quando foi inicialmente investigado como uma morte acidental, mas a necropsia do IML revelou que ele apresentava sinais de agressão física.

Após um mês da morte, sua mãe, Monique Medeiros, e seu padrasto, Jairinho, foram presos por suspeita de tentar atrapalhar as investigações. A polícia afirmou que Monique sabia que Jairinho agredia o filho com chutes e golpes na cabeça, o que foi confirmado por mensagens encontradas no celular da babá de Henry.

Jairinho teve seu mandato cassado na Câmara Municipal carioca e ambos serão levados a júri popular. Jairinho permanece preso preventivamente em Bangu 8 e será julgado por homicídio e tortura, enquanto Monique responderá em liberdade pelo processo de homicídio e coação no curso do processo.

Fonte: Leia Isso

Daniele Kopp

Daniele Kopp é formada em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) e Pós-graduada em Direito e Processo Penal pela mesma Universidade. Seu interesse e gosto pelo Direito Criminal vem desde o ingresso no curso de Direito. Por essa razão se especializou na área, através da Pós-Graduação e pesquisas na área das condenações pela Corte Interamericana de Direitos Humanos ao Sistema Carcerário Brasileiro, frente aos Direitos Humanos dos condenados. Atua como servidora na Defensoria Pública do RS.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo