Noticias

Mãe nega envolvimento do filho de 14 anos morto por PMRv em atividades criminosas em Cubatão

A mãe de adolescente assassinado pela Polícia Militar Rodoviária rejeita acusações de criminalidade

No início da manhã de quarta-feira (7), registrou-se um incidente fatal na Rodovia dos Imigrantes em Cubatão, envolvendo a Polícia Militar Rodoviária (PMRv) e um jovem de 14 anos. A mãe do jovem, que permanece anônima, negou veementemente quaisquer ligações do filho com atividades criminosas, referindo-se a ele como um futuro engenheiro e um exemplo para seus irmãos.

Mãe nega envolvimento do filho de 14 anos morto por PMRv em atividades criminosas em Cubatão
Imagem: Reprodução

Leia mais:

Ofensiva israelense se prepara para entrar em Rafah, apesar das negociações com o Hamas

Daniel Alves enfrenta pedido de 9 anos de prisão por agressão sexual na Espanha

Cronologia dos eventos

De acordo com a PMRv, uma equipe patrulhava a rodovia dos Imigrantes por volta da 0h35, quando três homens suspeitos foram avistados no acostamento. Ao tentar abordar os sujeitos, os oficiais foram supostamente alvejados, com uma das balas atingindo o colete de um dos oficiais. Em resposta, os policiais reagiram, resultando na morte do adolescente de 14 anos.

A mãe do adolescente contestou essa narrativa, afirmando que, conforme informações obtidas, nove indivíduos, e não três, estavam presentes no local. Ela também alegou que uma arma de brinquedo foi plantada ao lado do corpo de seu filho.

Investigações em andamento

Além do simulacro, a polícia também apreendeu um revólver calibre 38, com duas munições intactas e quatro deflagradas, além de estojos, projéteis e um boné. A ocorrência foi registrada como morte decorrente de intervenção policial no 1º DP de Cubatão.

A mãe da vítima espera que as câmeras de segurança ao longo da Rodovia dos Imigrantes possam fornecer detalhes mais precisos sobre o desenrolar dos eventos.

Uma vida cedo demais

A vítima, estudante do 8º ano do Ensino Fundamental, era conhecida por sua paixão pelo futebol e pelo Corinthians. Ele dizia para a mãe que pretendia fazer um curso no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) para poder trazer melhor qualidade de vida para ela e para os irmãos.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo