Noticias

Revelado o suposto mandante do crime do galerista Brent Sikkema

Foi revelada uma nova virada alarmante no caso do assassinato do galerista americano Brent Sikkema. Alejandro Falla Pino, o cubano preso como suspeito de ser o autor do crime, acusou Daniel Sikkema, ex-marido da vítima, de ser o mandante do homicídio.

Antes da acusação de Alejandre sobre o suposto mandante, o caso era tratado como latrocínio, no entanto, nenhuma posse foi levada da casa de Brent.

Revelado o suposto mandante do crime do galerista Brent Sikkema
Foto: Reprodução/G1

Leia mais:

STJ nega habeas corpus para Francisco Mairlon, condenado pelo Crime da 113 Sul

Suzane von Richthofen muda de nome: Especialista explica impacto legal

As alegações do suspeito sobre o suposto mandante

De acordo com Alejandro Falla Pino, Daniel Sikkema lhe prometeu a quantia de 200 mil dólares (equivalente a cerca de R$1 milhão na moeda atual) para executar Brent.

Pino também afirmou que o suposto mandante estava insatisfeito com o valor da pensão paga por Brent e estava preocupado com um novo relacionamento do galerista que poderia interferir na divisão de bens no processo de divórcio.

As consequências das afirmações de Pino

Com as declarações de Alejandro, tanto a Polícia Civil do Rio de Janeiro (PCERJ) quanto o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) solicitaram à justiça a prisão preventiva de Daniel. A Delegacia de Homicídios também entrou em contato com a justiça dos Estados Unidos.

Alejandro Falla Pino, que inicialmente estava sendo acusado de ter cometido latrocínio, agora responderá por homicídio doloso.

A vida e a carreira de Brent Sikkema

Brent Sikkema era um aclamado galerista de arte, com uma carreira que começou em 1971 e incluiu a abertura da primeira galeria em Boston, EUA, em 1976. Ele era proprietário da Sikkema Jenkins & Co, localizada em Nova York, que fundou em 1991 com o nome de Wooster Gardens.

Brent era conhecido por sua paixão pelo Brasil, apesar de não falar o idioma. Amigos descreveram como ele se sentia acolhido no país e o visitava nas festas de fim de ano e no carnaval. Artistas brasileiros como Vik Muniz e Luiz Zerbini, que já trabalharam com Brent, lamentaram sua morte.

Investigação continua

No momento, o caso continua sob investigação, com novos detalhes emergindo. A prisão preventiva de Daniel Sikkema foi solicitada, mas ainda não há informações sobre a resposta da justiça.

Fonte: G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo