ArtigosCrime, Arte e Literatura

Manhunt Unabomber: cartas explosivas

Canal Ciências Criminais
unabomber

Manhunt Unabomber: cartas explosivas 

A série Manhunt: Unabomber, da Netflix, objetiva publicar determinadas descrições presentes no inquérito e em autos de investigações pertencentes ao FBI, liberadas com todas as informações sobre o comportamento de Theodore Kaczynski, o Unabomber.

Entre os anos de 1978 e 1995, o doutor em matemática enviou pacotes contendo bombas artesanais para professores, executivos e pesquisadores, todos pertencentes ao meio universitário.

Entretanto, com o intuito de divulgar os motivos que o levaram a tais atos execráveis, como o envio de 16 cartas bombas para setores específicos de diversas universidades e empresas, publicou um manifesto investindo contra a tecnologia que se alastrava.

Segundo Kaczynski, a alta tecnologia teria o poder dentro de poucos anos de desestruturar a vida e a convivência do homem, transformando os obstáculos da vida em simples equações que seriam superficialmente resolvidas por algoritmos de forma rasa, não adentrando a complexidade dos problemas humanos.

Para ele, aquilo que não poderia ser resolvido pela engenhosa mente humana, mas que fosse repassado para as máquinas, não era natural e seria passível de uma dominação elementar deflagrada por inteligência artificial, propagadora da destruição do dom natural da inteligência e razão humana.

Neste sentido, exigiu que o New York Times e o Washington Post publicassem o seu manifesto, com a promessa de que cessaria os ataques.

A ânsia de ser ouvido deu certo, pois o medo destilado por suas mortais cartas atravessou o país.

Publicadas, disseminaram a voz do matemático e ex aluno de Harvard, que há tempos havia se retirado em exilio e vivia em uma choupana nas montanhas de Montana.

Por repugnância à sociedade que se industrializava e a modernidade crescente, retirou-se e promoveu os famosos ataques da maneira mais inusitada possível: cartas bombas.

David Kaczynski, seu irmão, ao ler o manifesto publicado notou certa familiaridade no discurso que parecia com o de seu irmão mais velho, bem como, a forma da escrita.

Resolveu informar sua suspeita ao FBI, que ao adentrar a cabana de Theodore, encontrou materiais e artefatos próprios para a fabricação de bombas, bem como, endereços para onde foram enviados os explosivos anteriores.

A recompensa de 1 milhão de dólares destinada a quem auxiliar na captura do Unabomber foi doada por David para as famílias das vítimas dos ataques.

Ao ser questionado sobre a delação contra seu irmão, David disse que não teria como cerrar os olhos ao que estava acontecendo e ao que havia descoberto, pois a possibilidade de que mais alguém morresse era grande, e maior ainda a sua responsabilidade, pois tinha o poder de evitar tal atrocidade.


Leia mais textos da coluna Crime, Arte e Literatura aqui.

Autor
Mestre em Direito. Professor. Advogado.
    Continue lendo
    Receba novidades em seu e-mail