- Publicidade -

Mantida condenação de militar por furto de R$ 4 mil de mochila de colega

- Publicidade -

O Superior Tribunal Militar (STM) manteve a condenação de um ex-soldado do Exército pelo furto R$ 4 mil reais da mochila de um colega, também militar. O furto ocorreu, em 2019, no interior das instalações do 32º Grupamento de Artilharia de Campanha, em Brasília (DF).

- Publicidade -

O ex-militar afirmou em juízo que sua namorada estaria grávida e que o dinheiro do furto serviria para comprar um berço e o enxoval para o bebê.

Segundo os autos, a vítima estava de serviço e, ao chegar no quartel, colocou sua mochila sobre a cama, vestiu o uniforme e foi participar da parada diária.

Em seguida, o acusado teria percebido que estava sem desodorante e decidiu ver se a vítima teria o item na sua mochila. Ao abrir a mochila, o ex-soldado observou um envelope bancário do banco BRB contendo o valor de R$ 9.000,00 (nove mil reais). O homem, então, após um tempo, retirou R$ 4.000,00, devolvendo o envelope à mochila em seguida.

A vítima somente teria notado a falta do dinheiro no dia seguinte, quando foi realizar o pagamento de um veículo que comprou. Após registro da ocorrência e comunicação ao Oficial de Dia, o denunciado confessou o crime.

- Publicidade -

Ministério Público Militar (MPM) então denunciou o ex-soldado, que foi processado e julgado na 1ª Auditoria da 11ª CJM, primeira instância da Justiça Militar da União, em Brasília (DF).

No julgamento, o Conselho Permanente de Justiça julgou procedente a denúncia e condenou o acusado à pena de um ano de reclusão, com o regime inicialmente aberto, o benefício do sursis pelo prazo de dois anos, além do direito de apelar em liberdade.

Defensoria Pública da União – que atuou na defesa do acusado – apelou da sentença ao STM, requerendo a absolvição do acusado alegando conjunto probatório insuficiente.

- Publicidade -

O ministro Carlos Augusto Amaral Oliveira, relator do recurso, pontuou que o réu é confesso e não negou a autoria dos fatos. A confissão do réu foi corroborada pelo depoimento das vítima e duas testemunhas. O ministro também afirmou:

Destaco que o delito ocorreu de forma sorrateira, facilitado pelo descuido e pela confiança da vítima no seu colega de farda, pois eram da mesma turma e trabalhavam na mesma Organização Militar. Por se tratar de furto de dinheiro, fácil de ser ocultado entre os pertences do infrator; e tendo em vista que somente foi descoberto no dia seguinte, quando os militares já haviam deixado o quartel, não houve prisão em flagrante, revista pessoal ou apreensão.

- Publicidade -

Os demais ministros do STM acompanharam, por unanimidade, o voto do relator.

Leia também

Mantida prisão de falsa médica que mostrava “rotina de médica” nas redes

Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

- Publicidade -

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais