- Publicidade -

Mantida prisão de falsa médica que mostrava “rotina de médica” nas redes

- Publicidade -

O desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) Alcides da Fonseca Neto manteve a prisão da estudante de odontologia Nathiely da Silva do Nascimento, de 20 anos. A decisão foi dada ontem, domingo (22).

- Publicidade -

Nathiely foi presa em flagrante ao ser abordada quando se passava por médica no Hospital Miguel Couto, no Leblon, na Zona Sul do Rio, na última quinta-feira (19).

Na decisão que converteu a prisão de flagrante em preventiva, o magistrado ponderou que os fatos imputados a Nathiely são tipificados como crimes graves:

Ao ser abordada, teria apresentado diversas razões para justificar o porquê de estar ali, sendo certo que estava de jaleco branco. Num primeiro momento teria dito que estaria sem o crachá e que seria acadêmica de medicina. Depois teria afirmado que aguardaria um médico. Por fim, teria apresentado a indigitada carteira, que seria falsa. Ato contínuo, teria dito que teria transferido sua faculdade de odontologia para medicina, mas ainda não cursaria. Todos esses fatos revelam a gravidade em concreto do ocorrido para justificar a prisão da indiciada, ainda mais porque se destacam indicativos de reiteração da prática delitiva quando os informes recebidos pela diretoria geral do Miguel Couto datariam de junho de 2021.

Quem chamou a polícia foi a diretora do hospital e Nathiely foi levada pela PM para a 12ª DP (Copacabana), sendo em seguida prese em flagrante por crime de uso de documento falso.

- Publicidade -

Além do crachá falso, foram encontrados com ela e apreendidos um documento de auxiliar de saúde bucal, um carimbo, um jaleco branco e um pijama hospitalar.

Em suas redes sociais, Nathiely mostrava detalhes de uma rotina como médica, postando fotos em plantões e usando jaleco e estetoscópio.

- Publicidade -

O Hospital Miguel Couto informou que a mulher não trabalhava na unidade hospitalar e, em nota, esclareceu

A direção do Hospital Municipal Miguel Couto deixa claro que a suspeita não trabalhava na unidade. Ela usava indevidamente o nome do hospital em postagens nas redes sociais e na noite desta quinta-feira acessou o prédio com um crachá falso, sendo identificada e retida pelos vigilantes, até a chegada da viatura policial. A direção registrou boletim de ocorrência na delegacia e o caso está agora sob investigação da Polícia Civil.

Leia também

- Publicidade -

Mantida prisão de investigado por prática reiterada de invasão de terras

Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais