ArtigosCriminal Profiling

Mindhunter

mindhunter

Mindhunter

Mindhunter, Caçador de Mentes em português, é uma série da Netflix de 2017 baseada no surgimento da teoria do FBI sobre Criminal Profiling contado no livro de mesmo nome de John Douglas, ex-agente do FBI muito conhecido por elaborar perfis criminais.

Ele e Robert Ressler foram precursores nos Estados Unidos nos estudos de Criminal Profiling e, juntamente a outros profissionais, escreveram o Crime Classification Manual, um manual para a polícia que classifica o comportamento criminoso.

Mindhunter conta a história de Holden Ford, um agente do FBI que trabalha com negociação de reféns e dá aulas em Quantico. Após perceber a necessidade de entender melhor o comportamento desviante, ele encontra Bill Tench, da Unidade de Ciência Comportamental, que trabalha dando treinamentos em delegacias pelo país. Os dois iniciam uma jornada para encontrar respostas sobre crimes em que não é possível compreender o motivo facilmente.

Holden quer estudar psicologia criminal e entender a mente dos criminosos para aprimorar suas negociações de reféns e conseguir compreender crimes aparentemente sem motivos.

Ele entende que existem fatores externos e internos que tentam explicar certos atos e comportamentos, mas o que ele não consegue compreender é a motivação de certos crimes cruéis. Ele se vê sem saber como explicar o assassinato de uma senhora e seu filho pequeno que foram empalados e a partir desse momento inicia uma busca por assassinos cruéis famosos para classificá-los.

O primeiro que ele encontra é Ed Kemper, o denominado assassino de colegiais muito eloquente que chama sua atenção pela frieza quando fala de seus crimes. Kemper não demonstra ser um assassino louco e sim uma pessoa que entende muito bem os seus atos e que foi constantemente humilhado pela mãe.

Holden e Bill passam a temporada conversando com assassinos reais como Jerome Brudos, Monte Rissel e Richard Speck encontrando suporte em Dra. Carr, acadêmica de psicologia criminal que vê a análise comportamental desses assassinos como algo muito relevante para a área.


Leia também:

  • Edmund Kemper, o gigante assassino (aqui)
  • Jerry Brudos, o assassino da luxúria (aqui)
  • Richard Speck, o assassino de enfermeiras (aqui)

Nem tudo o que é colocado na série condiz com a realidade, como a situação familiar de Holden, o personagem que faz John Douglas, os casos fictícios e os exageros dramáticos importantes para o roteiro. Mas muitas das informações fictícias são relevantes para as discussões que são traçadas no decorrer da série, principalmente para lugares em que o Criminal Profiling ainda está engatinhando, como no Brasil.

A série, além de falar sobre o início da elaboração de um manual de classificação de crime sobre Criminal Profiling nos Estados Unidos, que criou denominações como serial killer e spree killers, mostra casos reais e casos fictícios interessantes para a área com muitas referências extremamente relevantes pra quem se interessa pelo tema e pra quem pretende trabalhar com isso. São referências principalmente psicológicas, sociológicas e criminológicas que procuram explicar as origens dos crimes e como eles ocorrem.

Exemplificando, um dos personagens fala do labeling approach, uma teoria criminológica de Durkheim que estuda os rótulos sociais ligados à criminalidade. Já Holden cita Além do Princípio do Prazer de Freud, que explica teoria da pulsão de morte dos seres humanos. São vários conteúdos reais e relevantes para o Criminal Profiling, demonstrando a veracidade do assunto e sua profundidade para quem assiste Mindhunter.

Quando conversam com os assassinos nos presídios, Holden e Bill focam na motivação, no histórico familiar e na forma como os crimes foram cometidos. Tudo remete ao passado. Nos momentos em que os agentes do FBI estão trabalhando em casos fictícios a pedido das polícias locais é que observamos como funcionam as análises em tempo real do processo de construção do perfil criminal do autor de um crime violento.

Iniciando com a análise da cena de crime eles procuram entender o que levou o autor do crime a fazer as escolhas de local de desova e tipo de arma, por exemplo.

A partir daí procuram compreender a vitimologia e possíveis suspeitos. Nessas partes também são abordadas técnicas de entrevista. Como eles agem com suspeitos, que tipo de abordagem, como se conectar com o sujeito da entrevista, incluindo que tipo de informação pode ser ou não colocada para ele.

Criminal Profiling é uma área de atuação focada na investigação do autor de um crime que já aconteceu. Uma das discussões durante a série fala exatamente disso quando Holden resolve investigar um diretor de escola que faz cócegas em seus alunos e dá moedas a eles.

Será que o estudo do comportamento criminoso relacionado ao perfil criminal de assassinos em série pode ajudar a prevenir crimes? Ou até identificar um futuro criminoso? Algumas informações sobre a infância desse criminosos demonstra o comportamento desviante desde cedo, incluindo mutilação de animais.

Mas isso não é suficiente para prever um futuro criminoso violento e sim possibilitar um tratamento mais adequado para o comportamento apresentado no momento.

Outra discussão envolvia a função dos conhecimentos do comportamento para explicar em um tribunal a um júri o que ocorreu na mente de um criminoso no momento do crime. É viável o promotor levar ao conhecimento do júri as motivações distorcidas de um criminoso como única forma de explicar que ele cometeu aquele crime e não outra pessoa?

As pessoas se sentem muito mais compelidas a acreditar na culpa de um criminoso ao observar provas documentais e isso pode inibir o promotor a trazer algo que não seja palpável. São temas complexos que valem a discussão.

Mindhunter é uma série muito bem elaborada e que em sua primeira temporada demonstrou muito bem o início do Criminal Profiling no FBI e nos Estados Unidos e aguçou a curiosidade de quem se interessa por esse assunto, inclusive pelo âmbito criminológico, e quer saber um pouco mais sobre o que se passa na mente de alguns dos assassinos mais cruéis já entrevistados pelo FBI.

Autor

Especialista em Criminal Profiling. Advogada.
Continue lendo
ArtigosDireito Digital

Projeto anticrime aprovado na Câmara altera pena para ofensas nas redes sociais

ArtigosDireito Penal

Todo ato sexual praticado com menores de 14 anos é criminoso? (Parte 2)

ArtigosProcesso Penal

O interrogatório judicial como meio de defesa

ArtigosDireito Penal

A pena em abstrato

Receba novidades em seu e-mail