- Publicidade -

Ministra Damares Alves se manifesta sobre o caso DJ Ivis

- Publicidade -

Ministra Damares Alves se manifesta sobre caso de DJ Ivis

- Publicidade -

Damares Alves, a Ministra de Estado da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, se pronunciou a respeito do caso de violência doméstica que envolve DJ Ivis.

Na noite da última segunda-feira (12), a Ministra escreveu em sua conta de Instagram que atuará pessoalmente neste caso, se for necessário.

Segundo a Ministra, a Secretaria Nacional de Políticas Públicas para Mulheres já estaria atuando para garantir proteção à vítima, Pamella Holanda, ex-mulher do DJ, bem como para que o agressor seja punido conforme a lei.

A Ministra afirmou também que confia na polícia e no Poder Judiciário.

- Publicidade -

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos emitiu nota de repúdio à violência sofrida por Pamella:

- Publicidade -

Ministério da Mulher da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), por meio da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SNPM), vem a público repudiar os atos de violência doméstica sofridos por Pamella Holanda e divulgados no último domingo (11). As cenas fortes servem de alerta para toda a sociedade.

Pamella, que é mãe, esposa e filha, deu voz a muitas mulheres que, assim como ela, vivenciam a dor de serem agredidas dentro do próprio lar. As indagações que ficam diante de toda a repercussão são: até quando a palavra de uma mulher será colocada sob suspeita? Ou até quando iremos aceitar que atos de violência sejam justificados? Esses tipos de comportamento não podem mais ser tolerados.

A SNPM aproveita a oportunidade para fazer um grande chamamento para as instituições públicas e privadas, em especial para os gestores das redes sociais e da imprensa: diga não à publicação de atos que tenham como objetivo desacreditar uma mulher. Em caso dúvida, deixe a justiça agir. A cada momento que uma mulher tem sua imagem desconstruída publicamente para justificar um ato violento, outras tantas desistem de procurar ajuda e seguem rumo a uma morte violenta.

O feminicídio, em grande parte, ocorre após uma sequência de agressões. É preciso interromper ciclos, é preciso encorajar as mulheres a romper situações de violência, que afetam toda a família. Pamella é a voz que ecoa hoje nos jornais, mas não nos esqueçamos das inúmeras Pamellas, Marias e Joanas que precisam de ajuda.

Informamos que, neste momento, a SNPM está atuando junto aos órgãos competentes para reforçar as medidas que possam assegurar a integridade da Pamella e da sua filha, bem como a responsabilização do seu agressor.

Lembramos, ainda, da importância de denunciar qualquer tipo de violação de direitos humanos pelo Disque 100 (Disque Direitos Humanos) ou pelo Ligue 180 (Central de Atendimento à Mulher. As ferramentas estão disponíveis 24 horas por dia, todos os dias da semana, incluindo finais de semana e feriados.

Leia também

Caso DJ Ivis: Polícia Civil ouve ex-mulher e mais duas testemunhas


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

- Publicidade -

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais