Noticias

Ministro do STF derruba pedido para investigar família Bolsonaro por compras de imóveis pagos com dinheiro vivo

Na última sexta-feira (17), André Mendonça, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), derrubou uma ação que solicitava a investigação da compra de 51 imóveis em dinheiro vivo por Jair Bolsonaro (PL) e seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP).

A ação havia sido apresentada pelo deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG), em setembro de 2022, baseada em uma investigação jornalística.

canalcienciascriminais.com.br ministro do stf derruba pedido para investigar familia bolsonaro por compras de imoveis pagos com dinheiro vivo image
Foto: Reprodução/Agência Brasil

Leia mais:

STF bate o martelo e PF cumpre mandados contra investigados por ‘tentativa de golpe’

STF avalia denúncia de corrupção contra presidente do PT – Gleisi Hoffmann

A petição citava possíveis crimes, como peculato, corrupção passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa e improbidade administrativa.

Ministro alega provas insuficientes no caso da família Bolsonaro

Em sua coluna, o jornalista Guilherme Amado, do Metrópoles, diz que o ministro André Mendonça, indicado ao STF por Bolsonaro, argumentou que não existiam “elementos probatórios suficientes para autorizar a deflagração da persecução criminal”.

O ministro classificou a ação como “temerária”. Destacou que a ação se baseava exclusivamente em uma matéria jornalística e não possuía documentos ou meios de prova adicionais.

Mendonça ainda expressou preocupação com a possibilidade de substituição indevida das autoridades policiais e do Ministério Público pelos veículos de imprensa. 

Relato de deputado é genérico, segundo Mendonça

Mendonça também criticou a natureza genérica do relato do deputado petista, considerando-o “absolutamente conjectural”. De acordo com o ministro, a reportagem abrangia um extenso período de 32 anos, sem estabelecer relações de causa-efeito que comprovassem a ocorrência de crimes.

Ademais, o ministro destacou que não há “indicativo sequer de que tenha havido aquisição pessoal de imóvel, tampouco de que tenha havido alguma ilicitude por ele perpetrada, do que resulta absolutamente precária qualquer ilação no sentido de que os apontados imóveis sejam produto de crime”.

Segundo a reportagem dos jornalistas Thiago Herdy e Juliana Dal Piva,  Bolsonaro e seus familiares compararam pelo menos 51 imóveis no valor total de R$ 25,6 milhões em valores atualizados, sendo efetuados em espécie.

Fonte: Brasil 247

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo