- Publicidade -

Ministro mantém prisão preventiva de réu condenado por furto de gado

- Publicidade -

O ministro Jorge Mussi, vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou liminar em habeas corpus (HC 681.412) impetrado com o fim de revogar a prisão preventiva de um homem condenado por furto de gado – mais especificamente 26 animais – em uma fazenda, causando um prejuízo de R$ 52 mil ao proprietário.

- Publicidade -

Preso preventivamente desde setembro de 2020, o acusado teria invadido uma fazenda no município de Estrela do Sul (MG), juntamente com outros indivíduos, e furtado os animais durante a noite.

De acordo com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), estaria comprovado que o acusado e seus comparsas teriam uma estrutura organizada, estável e duradoura, com a finalidade furtar, roubar e receptar animais, em Estrela do Sul e cidades vizinhas.

O homem foi condenado a sete anos, nove meses e dez dias de reclusão, em regime inicial fechado, e 34 dias-multa, por furto e, também, por coação contra uma das testemunhas do processo. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) não permitiu que ele recorresse em liberdade.

No STJ, a defesa alegou que a prisão preventiva foi decretada com fundamentos diversos dos da sentença condenatória.

- Publicidade -

Para a defesa, a sentença não teria indicado fatos novos para fundamentar a manutenção da prisão, o que evidenciaria a ausência de contemporaneidade da medida cautelar de prisão.

Não obstante, o ministro Jorge Mussi afirmou que não verificou ilegalidade nos fundamentos usados para a manutenção da prisão preventiva adotados pelo tribunal de origem.

- Publicidade -

O ministro pontuou que o TJMG ressaltou a existência de risco à sociedade, uma vez que o acusado é reincidente e já tem condenação transitada em julgado por crimes de homicídio qualificado, ameaça e porte ilegal de arma.

O julgamento do mérito do habeas corpus está sob a relatoria do ministro Reynaldo Soares da Fonseca.

Leia também

- Publicidade -

Lázaro: chacina que matou família no DF pode ter sido encomendada

Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciário

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais