NoticiasDireito Penal

Mulher usa aparelho de choque para agredir suposta amante do marido

A vítima tem sido alvo de perseguições e agressões frequentes

Uma mulher de 42 anos foi ferida após ser agredida por outra mulher, de 50 anos, em Santana do Paraíso, região do Vale do Aço em Minas Gerais, no dia 21 de agosto. A agressora usou um dispositivo de choque durante o incidente. Após o ataque, ela conseguiu escapar e ainda não foi encontrada pelas autoridades. De acordo com o relato da vítima, a suspeita acredita erroneamente que ela mantém um relacionamento amoroso com seu marido. Como resultado desse equívoco, a vítima tem sido alvo de perseguições e agressões frequentes.

canalcienciascriminais.com.br mulher usa aparelho de choque para agredir suposta amante do marido mulher
Fonte: Metrópoles

Leia mais:

STJ aumenta a pena de PMs envolvidos no Caso Amarildo

Polícia entra no caso de Larissa Manoela e mãe da atriz será investigada

A mulher foi ferida na cabeça, testa e olho e teve a blusa rasgada pela agressora

A mulher agredida explicou que estava em uma papelaria para imprimir documentos, pois estava participando de uma entrevista de emprego. A agressora confrontou a vítima na rua e a atacou usando o dispositivo de choque, atingindo a cabeça, testa e olho da vítima. Além disso, a agressora também rasgou a blusa da vítima durante o incidente.

A mulher ferida foi levada ao posto de saúde do bairro Parque Caravelas para receber tratamento. A Polícia Militar (PM) tentou localizar a suspeita em sua residência, porém não obteve sucesso. Os policiais também visitaram o local de trabalho do marido da agressora, mas não conseguiram obter informações sobre o paradeiro dela.

Fonte: O TEMPO

Daniele Kopp

Daniele Kopp é formada em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) e Pós-graduada em Direito e Processo Penal pela mesma Universidade. Seu interesse e gosto pelo Direito Criminal vem desde o ingresso no curso de Direito. Por essa razão se especializou na área, através da Pós-Graduação e pesquisas na área das condenações pela Corte Interamericana de Direitos Humanos ao Sistema Carcerário Brasileiro, frente aos Direitos Humanos dos condenados. Atua como servidora na Defensoria Pública do RS.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo