Artigos

O. J. Simpson: de astro do esporte a assassino cruel

O CRIME

Curiosamente, na data em que se comemora o dia dos namorados no Brasil, duros golpes de faca interromperam a vida de um casal de “amigos” nos Estados Unidos. Por volta das 22h do dia 12 de junho de 1994, Nicole Brown e Ronald Goldman foram violentamente assassinados na casa de Nicole.

O principal suspeito do banho de sangue era O. J. Simpson (Orenthal James Simpson), ex-marido de Nicole, e famoso astro do futebol americano.

O. J. Simpson – o astro do futebol americano

Em razão da grande exposição midiática do caso, o processo que apurava Simpson como autor do assassinato pode ser considerado um paradigma para quem estuda o processo penal midiático.

Não se falava em mais nada. Todas as manchetes cobriam o caso e todos queriam saber mais sobre aquele jogador de futebol americano que brutalmente teria assassinado sua ex-mulher e seu amigo.

Nicole Brown, começou a ter relações amorosas com O. J. Simpson logo após o astro do futebol ter se separado de Marguerite, sua primeira mulher.

Simpson e Nicole tiveram dois filhos. Simpson nunca negou que era muito violento em casa com Nicole. Tanto que, no ano em que ambos oficializaram a união, Simpson, utilizando-se de um bastão de beisebol, quebrou os vidros do carro de Nicole, onde ela havia se refugiado após uma discussão. Talvez fosse um prelúdio do trágico desfecho.

A separação ocorreu 7 anos depois. Mesmo após a separação, Simpson mostrava-se muito agressivo com a ex-mulher, tendo, inclusive chegado a invadir a sua casa, situação situação que obrigou Nicole a se trancar na cozinha para, uma vez mais, fugir do ataque compulsivo de Simpson.

O MOTIVO

Todas os elementos da cena do crime apontavam para O. J. Simpson como autor do delito. O passado de agressão à ex-mulher e o intenso sentimento de ciúme nutrido por Simpson davam conta de que o astro americano teria cometido o assassinato.

As vítimas: Nicole Brown e Ronald Goldman

O JULGAMENTO

Cinco dias depois do fato, Simpson, acusado por duplo homicídio, empreendeu fuga sendo perseguido pelas autoridades policiais. Começava-se ali a grande cobertura midiática do caso, tanto que a perseguição tomou conta dos canais de televisão no dia em que aconteceria a abertura da Copa do Mundo FIFA de 1994.

Após ser detido e preso, começara um longo julgamento que ocasionou um grande debate entre os norte-americanos, não só pela brutalidade do crime e pela celebridade do acusado, mas por se tratar de um negro acusado de matar duas vítimas brancas.

O. J. Simpson durante o julgamento

O júri foi composto por 12 jurados, sendo que a maioria eram pessoas de cor negra.

As provas técnicas e periciais apontavam para um único caminho de que; O. J. Simpson foi o autor do assassinato.

A defesa do ex-jogador, de forma muito habilidosa, levou a discussão para a questão racial, negando totalmente a autoria do delito.

Por fim, o veredito do júri concluiu que O. J. Simpson era inocente.

CONDENADO PELA MÍDIA

O caso O.J Simpson é um caso clássico de condenação pela mídia. Mesmo tendo sido absolvido pelo Tribunal, pela prática do duplo homicídio em desfavor de sua ex-mulher e de seu amigo, O.J. Simpson é mundialmente conhecido pelo fatídico incidente.

Não foram seus notáveis dotes esportivos que lhe alçaram à fama mundial. Efetivamente, O.J Simpson teve seu nome imortalizado pela mídia em razão da acusação que suportou, mesmo que tenha sido absolvido.

INDENIZAÇÃO

Embora O.J. Simpson tenha sido absolvido pelo Tribunal do Júri no âmbito penal, o astro não escapou de uma condenação no juízo civil para pagar uma dívida superior a U$ 30 milhões para as famílias das vítimas.

Referidas condenações fizeram com o restante do patrimônio de Simpson escoasse, o carregando ainda mais para o fundo do poço.

CARREIRA CRIMINOSA

Não satisfeito com a notoriedade que a acusação de homicídio lhe rendeu, O.J Simpson novamente sentou no banco dos réus. Não teve a mesma sorte dessa vez.

Em 4 de outubro de 2008, O.J Simpson foi condenado pela prática de diversos crimes, como roubo à mão armada, sequestro e associação criminosa, tendo que encarar uma pena de 33 anos de prisão.

O. J. Simpson no primeiro (1995) e no segundo julgamento (2008)

Autor

Advogado (RS)
Continue lendo
ArtigosCriminologia

Dark Number: a verdade perdida nas sombras

ArtigosDireito Penal

Furto e sistema de vigilância

ArtigosEnsino Jurídico

Extinguir o ensino jurídico: eis o antídoto perfeito

ArtigosDireito Penal

Entenda a diferença entre racismo e injúria racial

Receba novidades em seu e-mail