• 24 de setembro de 2020

O lado bom do “Poderoso Chefão” para a Advocacia Criminal

 O lado bom do “Poderoso Chefão” para a Advocacia Criminal

O lado bom do “Poderoso Chefão” para a Advocacia Criminal

O que são princípios? Em linhas gerais, são regras e valores que moldam algum padrão de comportamento. Mas o que nós (cidadãos de bem), podemos aprender com um líder mafioso? Quais princípios Don Vito Corleone, chefe da máfia Siciliana, na famosa trilogia do filme “O Poderoso Chefão”, transmite?

Vejamos alguns:

1. A importância da FAMÍLIA (de sangue, não me refiro à “família” máfia)!

Um homem que não se dedica a família nunca será um homem de verdade. – Don Vito Corleone

Observação: ignore qualquer interpretação sexista da famosa frase.

As ações de Don Corleone eram pautadas no bem-estar e proteção de sua família (de sangue). A lealdade dele com sua esposa e com os seus, é peculiar. A família dele sempre está nos pensamentos e no coração dele. Os Corleone não toleram deslealdade.

A lealdade do Advogado Criminalista perante o constituinte e demais personagens processuais devem ter como norte a da personagem interpretada por Marlon Brando. A última trincheira entre o acusado e o poder punitivo do Estado, somos nós. Nosso dever é “de meio” e não “de resultado”, ou seja, dar o nosso máximo, com lealdade e transparência com nosso constituinte desde o primeiro momento.

***Lembra da cena do filme “Click”, com Adam Sandler: “Family comes first!” (Don Corleone pensava do mesmo jeito!).

2. Nunca deixe que os outros saibam o que você está pensando

A situação narrada a seguir realmente aconteceu…

Certa ocasião, um amigo meu, colega de profissão, pediu conselhos para começar a advogar na seara criminal, visto que recebera proposta tentadora defender um indivíduo acusado da suposta prática de crime doloso contra a vida. Por óbvio, o encorajei e também o alertei para advogar com algum colega experiente.

Ocorre que, duas semanas após nossa conversa, recebi uma mensagem no WhatsApp que literalmente me causou ânsia de vômito (se você me conhece um pouco, sabe dos meus refluxos):

Léo, olha que Resposta a Acusação que fiz! O Parquet vai ter trabalho para condenação. VOCÊ VAI AMAR AS TESES DE DEFESA QUE ALEGUEI. (esse “você vai amar as teses de defesa que aleguei” me causaram a mesma ânsia de vômito das vezes que exagerei na comida, acredite).

Eu demorei a responder a mensagem do meu amigo, mas pratiquei a lealdade e transparência! Expliquei que não era o momento de expor a tese de defesa na referida peça processual. Nós, criminalistas, precisamos ser organizados e táticos. Nossas ações são cruciais para o progresso ou não do direito de nosso constituinte. Nossas escolhas têm alto nível de pressão e o resultado positivo ou negativo, em grande parte das vezes, depende de nós.

3. Prudência e autocontrole

Léo, meu filho, toda escolha envolve pressão. Tenha tranquilidade e paciência. – Meu pai

Só corra riscos se puder lidar com as consequências. Arrisque- se, todavia, de forma racional.

Não seja escravo de seus impulsos mais primitivos. Don Corleone possui comportamento não reativo, mesmo quando não tolera algum comportamento insolente/indelicado.

Essas são algumas das lições que podemos aprender com o famoso líder siciliano!


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Leonardo Nolasco