O Promotor de Justiça, pelos olhos da Defesa

Por Jean de Menezes Severo                         

Quinta-feira, dia de coluna, e também de muita alegria para este humilde rábula diplomado que vos escreve. Meu coração enche-se de felicidade em saber que esta coluna tem atingindo em cheio os estudantes de Direito, futuros advogados, promotores e juízes. Fico honrado a cada elogio que a coluna recebe e mais satisfeito ainda quando este afago vem da “gurizada”, do jovem estudante. Obrigado, meus jovens, queridos. Nunca sonhei que esta coluna fosse alcançar lugares tão distantes e os responsáveis por isso são vocês, leitores, e o meu patrão velho lá de cima que nunca cansou deste singelo advogado.

Promotor público ou Promotor de JUSTIÇA: existe diferença na maneira em que nos referimos ao autor da ação penal?

O promotor de JUSTIÇA é diferente do promotor público, apesar de ambos ocuparem o mesmo cargo. O promotor de justiça tem um jeito diferente de encarar o processo e, principalmente, os réus que acusa. Ele não precisa se utilizar da importância do cargo que conquistou com muito estudo e dedicação para humilhar o réu ou aterrorizá-lo; ele apenas exerce sua função.

Sua grandeza, inclusive, está em sua humildade, em produzir uma prova segura para a condenação do acusado, afinal de contas,  ele tem ciência que o ônus da prova é seu e que um inocente condenado é o mesmo que suprimir uma vida humana.

O promotor de JUSTIÇA é facilmente reconhecido no plenário do júri. Ele não acusa por acusar, pede a absolvição quando necessária, pois não é vaidoso e nem ao menos sabe quantos réus condenou; apenas entende que o tribunal do júri não é um palco de vitória ou derrotas. Trata-se de mais uma tragédia produzida pelos homens.

Mas não se engane: o promotor de JUSTIÇA é duro quando tem que sustentar a acusação. Sua oratória encanta o Conselho de Sentença e muitas vezes faz a defesa ter que rever aquilo tudo que diria em seu tempo no plenário e, meu Deus, quando isso ocorre é um problema.

Ele sabe que tem um poder de “sedução” muito maior que a defesa, eis que ele é o promotor de JUSTIÇA e isso encanta o jurado que vê em sua figura a verdade, o trabalho em favor da vítima que perdeu um ente querido, a destruição do malfeitor que muitas vezes arruinou uma família.

Quando atuo no plenário do júri, gosto de trabalhar contra promotores de justiça. Sou como o bolo de fubá: quanto mais me batem, mais eu cresço; quanto mais à acusação é dura, mais sinto a possibilidade de ver meu trabalho crescer, quantificar-se em uma defesa segura e impecável, pois estou trabalhando contra um promotor de JUSTIÇA, que não é desleal, mas não está no plenário para fazer amigos e isso a defesa tem que entender.

Aprendi a fazer júri com grandes advogados, porém, não posso esquecer dois promotores de justiça que atuam no nosso plenário do júri gaúcho e que me serviram de inspiração para minha formação de advogado de júri.

São eles: Eugênio Paes Amorim e Sônia Eleni Correa. Juntos, ambos possuem mais de dois mil júris, gigantes do plenário, oradores impecáveis, mas, antes de tudo, seres humanos de uma grandeza maior.

Eu sei que, quando o debate é contra qualquer um deles, a coisa fica feia, “preteia os olhos da gateada”, como se diz aqui no Rio Grande, tamanha a competência destes promotores de JUSTIÇA. Todavia, também tenho a certeza de que, quando percebem que aquele réu deve ser absolvido, pedem a absolvição com um sorriso no rosto, porque, no fundo, não gostam de condenar.

Advogados e promotores são irmãos que apenas fizeram caminhadas diferentes, apenas isso. Estudamos na mesma escola, lemos os mesmo autores, cursamos praticamente as mesmas cadeiras na faculdade de Direito. O que nos diferencia é um olhar diferenciado para o fato acontecido e uma nomenclatura distinta nos nomes: advogado, promotor.

Meu olhar, como advogado para com todos os promotores de JUSTIÇA, é o de respeito, carinho admiração, amizade sempre após um plenário “pegado” contra um promotor de justiça. Faço questão de cumprimentá-los ao final, dou-lhes um abraço e peço desculpas se me passei quando estava no labor da defesa. Tenho orgulho de saber que, ao final de cada júri, não importando o resultado, ganho mais um amigo na minha caminhada na advocacia criminal.

Promotor de Justiça Eugênio Paes Amorim e Promotora de Justiça Sônia Eleni Correa, fiz esta coluna pensando em vocês, no que representam para o estado do Rio Grande do Sul e para este advogado também. São meus amigos queridos. Trabalhar com vocês é sempre uma alegria e uma dificuldade também. As ideias brigam, os homens não.

Um beijo no coração de ambos!

JeanSevero

Comentários
Carregando...

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. AcceptRead More