ArtigosProcesso Penal

O suplício de Cronos: por um desvelar do (ab)uso do corpo no processo penal

Por Diogo Machado de Carvalho

O mito – “o nada que é tudo” [1] prescreve que, após castrar seu pai Urano com a foice diamantina, Cronos (ou Saturno, para os romanos) se tornou o senhor do mundo, convertendo-se em um carrasco bem pior do que aquele. Todavia, no dia em fora violentamente deposto e assassinado, Urano lançou uma praga a Cronos: “Ai de você, rebento infame, que manchou a mão no sangue do seu próprio pai! Do mesmo modo que usurpou o mando supremo, irá também um dia perdê-lo…”.[2] Assim, temeroso pela profecia, Cronos passou a devorar seus filhos tão logo estes nasciam. Desse fatídico destino, somente o caçula Zeus (ou Júpiter) escapou, visto que sua mãe Cibele (ou Reia) o trocou por uma pedra envolta por tecido de linho, prontamente engolida por Cronos. Alcançada a idade adulta, o futuro Senhor do Olimpo iniciou uma longa e terrível batalha contra seu genitor. Após tomar conselhos com Métis (a Prudência), Zeus se apoderou de uma maravilhosa poção emética que, ardilosamente, restou ingerida por Cronos.[3] Assim, o Titã foi compelido a regurgitar cada um dos filhos que outrora havia devorado. “Pobre deus! Como já fazia muito tempo que os engolira, agora se via obrigado a restituí-los completamente adultos”.[4] Após dez anos de uma intensa guerra, Zeus e seus irmãos (expelidos) derrotaram Cronos e os demais Titãs. Assim, o Deus dos raios e dos trovões finalmente ascendia como soberano do Universo.

Enquanto espaço privilegiado de linguagem e significação,[5] a mitologia de Cronos e Zeus exprime naturalmente que a salvação exige a violação de um corpo; a justiça demanda violência.[6] Para além disso, o mito deixa resplandecer que toda intervenção corporal é um ataque direcionado contra a arbitrariedade do (Deus do) tempo.

Ao trazer o princípio para o presente, verifica-se que, no processo penal contemporâneo – que jamais foi moderno -,[7] há ainda situações em que o corpo do imputado é (por desprezo e/ou por gozo) objeto da violação coercitiva estatal para fins investigatórios-probatórios. Como alerta Francesco Carnelutti: “não se esqueça o valor que o imputado tem como prova”.[8] Calcado em uma vendável panaceia discursiva de “repressão à criminalidade, com a elucidação dos crimes e a consequente garantia da liberdade dos cidadãos e da paz social”,[9] o (ab)uso das cognominadas intervenções corporais representa a mais pura expressão processual de uma eficiência economicista.[10]

A sociedade fast acostumada com a (falta de) velocidade – a instantaneidade exclui o tempo, que, por sua vez, tolhe a velocidade –[11] não deseja aguardar pela conclusão cadenciada do processo penal para exorcizar o mal do convívio coletivo. Na cultura agorista, almejar a paralisação do tempo é um sintoma de estupidez, preguiça ou inépcia, além de ser um (hediondo) crime passível de reprimenda. [12] Logo, o processo penal deve ser cada vez mais rápido e letal, eis que “assim querem o mercado (que não pode esperar, pois tempo é dinheiro) e a sociedade (que não quer esperar)”.[13]

Nessa mirada, a violação do corpo do imputado (a verdade viva) é aquela medida mais adequada – diante da finalidade-eficiência -, uma vez que, ao alcançar de modo prático e instantâneo o notorium condenatório, permite uma inequívoca economia nas investigações e no processo.[14] Assim, uma violação corporal bem sucedida justifica a justiça, visto que, de antemão, publica a verdade do crime, inclusive no próprio corpo do violado.[15]

Todavia, como a bárbara tortura não pode(ria) mais vingar no cenário racionalista da dita “modernidade”, foi necessário, com auxílio da técnica, “progredir” e criar uma outra coisa. Como bem ilustrada pela máquina do Dr. Guillotin, a nova economia do corpo exige uma atitude “humanitária” e, com o apoio das descobertas científicas, um tratamento cada vez mais indolor ao imputado.[16] Surgem, então, as chamadas intervenções corporais, visto que, ávido por dar uma nomenclatura para a perpetuação do (ir)racional, o processo penal busca um alívio na invenção verbal. “As palavras são caridosas: sua frágil realidade nos engana e nos consola”.[17] Ou seja, mudam-se apenas os signos, mas a violência (ainda que escamoteada) em busca da verdade continua…[18]

Destarte, há que se seguir o aconselhamento de Affonso Romano de Sant’Anna e limpar as palavras das mofadas teorias jurídicas, porque “a despoluição da realidade começa pela despoluição do discurso”.[19] Ainda que se entenda que na submissão a uma intervenção corporal não há formalmente um atestado de culpabilidade (não existe uma manifestação verbal ou escrita nesse sentido), no plano material, os efeitos práticos (e deletérios) são idênticos.[20] Por outros caminhos mais tortuosos e camuflados, o imputado se autoacusa do mesmo modo. Conforme declara María Ángel Pérez Marín, independentemente do tipo de “colaboração” (ativa ou passiva), são descobertos dados e circunstâncias que o imputado tinha o direito de não revelar. Além disso, deve-se compreender que, em casos de diligências médicas e análises químicas, o resultado da intervenção corporal traz consigo um prejuízo bem maior do que a própria expressão verbal.[21] A intervenção corporal é muito mais do que uma confissão…

__________

[1] PESSOA, Fernando. Mensagem. São Paulo: Martin Claret, 1998. p. 21.

[2] FRANCHINI, A.S.; SEGANFREDO, Carmen. As melhores histórias da mitologia: deuses, heróis, monstros e guerras da tradição greco-romana. 9. ed. Porto Alegre: L&PM, 2007. v.01. p. 12.

[3] BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia Grega, p. 332.

[4] FRANCHINI, A.S.; SEGANFREDO, Carmen. As melhores histórias da mitologia, p. 16.

[5] BARTHES, Roland. Mitologias. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p. 152.

[6] VERNANT, Jean-Pierre. Mito e religião na Grécia antiga. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p. 31.

[7] “Quando as palavras ‘moderno’, ‘modernização’ e ‘modernidade’ aparecem, definimos, por contraste, um passado arcaico e estável. Além disso, a palavra encontra-se sempre colocada em meio a uma polêmica, em uma briga onde há ganhadores e perdedores, os Antigos e os Modernos. ‘Moderno’, portanto, é duas vezes assimétrico: assinala uma ruptura na passagem regular do tempo; assinala um combate no qual há vencedores e vencidos. Se hoje há tantos contemporâneos que hesitam em empregar este adjetivo, se o qualificamos através de preposições, é porque nos sentimos menos seguros ao manter essa dupla assimetria: não podemos mais assinalar a flecha irreversível do tempo nem atribuir um prêmio aos vencedores” (LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994. p. 15).

[8] CARNELUTTI, Francesco. Leciones sobre el Proceso Penal. Buenos Aires: Europa-América, 1950. v. 02. p. 71.

[9] ZAGANELLI, Margareth Vetis. Intervenções Corporais, Processo Penal e Direitos Fundamentais. In: LIMA, Marcellus Polastri; SANTIAGO, Nestor Eduardo (Orgs.). A renovação processual penal após a Constituição de 1988: Estudos em homenagem ao Professor José Barcelos de Souza. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008. p. 195.

[10] No liberalismo, embasado pela máxima “mais sociedade, menos Estado”, há um desprezo pelo direito, sobretudo pelo processo penal, que se torna um estorvo que impossibilita a tão almejada eficiência (mais velocidade), imprescindível quando tudo passa a ser competição (COUTINHO, Jacinto Nelson de Miranda. O papel do pensamento economicista no direito criminal de hoje. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, v. 31, p. 40, 1999).

[11] Com base na Física, observa-se que a velocidade média é a razão entre a distância que o objeto percorre e o tempo que ele gastou para percorrer (vm = d/t). Por indução, sem tempo não há velocidade!!

[12] BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. p. 51.

[13] LOPES JR., Aury. Justiça Negociada: Utilitarismo Processual e Eficiência Antigarantista. In: CARVALHO, Salo de; WUNDERLICH, Alexandre (Orgs.). Diálogos sobre justiça dialogal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002. p. 115.

[14] “O notório permite relativizar o rígido formalismo processual. A notoriedade caracteriza situações que tornam um fato incontestável, não sendo possível alegar dúvida ou questionar sua verdade. Por esse motivo é que podemos dizer que, valorativamente, o notorium situa-se acima dos outros meios de prova. Uma leitura mais atenta nos permite perceber que o notório decorre de uma visão naturalista do mundo, motivo pelo qual adquire um status incontestável” (SABADELL, Ana Lúcia. Tormenta Juris Permissione: Tortura e Processo Penal na Península Ibérica (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: Revan, 2006. p. 124-125).

[15] FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 35. ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 39.

[16] LE BRETON, David. Antropología del dolor. Barcelona: Seix Barral, 1999. p. 254.

[17] CIORAN, Emil. Breviário da decomposição. Rio de Janeiro: Rocco, 1989. p. 46.

[18] “O signo está em condições de alterar-se porque se continua. O que domina, em toda alteração, e a persistência da matéria velha; a infidelidade ao passado e apenas relativa. Eis por que o principio da alteração se baseia no principio da continuidade” (SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. 27. ed. São Paulo: Cultrix, 2006. p. 89).

[19] SANT’ANNA, Affonso Romano de. A sedução da palavra. Brasília: Letraviva, 2000. p. 211.

[20] MARTÍN, María Isabel Huertas. El sujeito pasivo del proceso penal como objeto de la prueba. Barcelona: José María Bosch, 1999. p. 384.

[21] MARÍN, María Ángeles Pérez. Inspecciones, Registros y Intervenciones Corporales: Las pruebas de ADN y otros métodos de la investigación en el Proceso Penal. Valencia: Tirant Lo Blanch, 2008. p. 93.

Diogo

Imagem do post – “The Mutilation of Uranus by Saturn“, de Giorgio Vasari

Continue lendo
ArtigosDireito Constitucional

Habeas corpus de Temer ficou para semana que vem

ArtigosCriminal Profiling

Controvérsias no perfil do assassino em massa

ArtigosTribunal do Júri

3 dicas rápidas para seu primeiro júri

ArtigosDireito Penal

Concurso material ou concurso formal de crimes?

Receba novidades em seu e-mail