Artigos

O uso de algemas e a Súmula Vinculante nº 11 do STF

Por Ingrid Bays

A Súmula Vinculante nº 11 do Supremo Tribunal Federal, aprovada no ano de 2008, dispõe que “só é lícito o uso de algemas em caso de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado”.

Diante da leitura do teor da referida súmula, é evidente que tal artefato deve ser utilizado em caráter excepcional e mediante justificação, o que deverá ocorrer perante a análise das peculiaridades de cada caso. A preocupação com o tema surgiu, aliás, principalmente em razão da manutenção do réu algemado durante sessão de julgamento pelo Tribunal do Júri, o que evidentemente poderia acabar influenciando os jurados em sua decisão.

Ocorre que, como também é comum em diversas outras situações no âmbito do direito processual penal, apesar da clareza do teor da Súmula, ainda é adotado como prática o uso das algemas baseados em “fundamentos” absolutamente genéricos, que não analisam a situação exposta e sim todo um contexto que, por óbvio, facilita o “copia e cola” do Judiciário. A fim de exemplificar, colaciono o trecho de um termo de audiência ao qual obtive acesso, cujo processo já havia transitado em julgado:

“Embora sem alegação alguma da Defesa, devido às reiteradas anulações dos processos pelo Egrégio Tribunal de Justiça, importante referir que, com relação ao uso de algemas pelo réu e a Súmula 11 do STF, de efeito vinculante, a praxe deste juízo é passar as algemas para a frente, a fim de deixar o acusado mais confortável, sem, contudo, retirá-las, por razões de segurança. Saliente-se que não há como aferir qual réu é perigoso e qual não é, uma vez que os agentes das SUSEPE nunca recomendam sejam as algemas retiradas. A realidade do juízo de 1º grau é o contato direto com os delinquentes, em uma sala com dimensões reduzidas, sendo a distância entre aqueles e o Juiz, o Promotor, e mesmo o advogado, é diminuta. Nesta Comarca, no Foro novo, já houve tentativa de fuga e reação por parte dos réus ― em audiência e no Júri ―, que não eram considerados perigosos, os quais felizmente foram recapturados e/ou contidos. Desta forma, não pode este Magistrado, para assegurar o direito de um único indivíduo, colocar em risco a integridade física da coletividade de pessoas que participam do ato solene da audiência, razão pela qual as algemas serão mantidas.”

Da leitura depreende-se que, apesar de existir uma fundamentação, a mesma não é compatível com os termos da Súmula nº 11 do STF, uma vez que os argumentos trazidos possuem, aparentemente, o intuito de afirmar não ser possível o cumprimento daquilo que foi consolidado pela Suprema Corte. Decisões como essa não são raras, infelizmente. Deixa-se de analisar o caso em concreto para dar razão a ilações genéricas e baseadas em outros fatos e outros réus, o que nitidamente viola diversos preceitos constitucionais.

Com isso, acaba sendo necessário que os tribunais anulem tais atos (o que raramente ocorre), restando ao Supremo Tribunal Federal, novamente, o encargo de repetir aquilo que já foi sumulado, como em recentíssima decisão da 1ª Turma, na Reclamação nº 17754/SP:

“A leitura do ato impugnado revela a adoção de óptica linear pelo Órgão reclamado. Valeu-se de fundamentação genérica, desvinculada de dados concretos, para assentar a necessidade do uso das algemas, no que evidenciado o desrespeito ao contido no mencionado verbete vinculante. Atentem para a excepcionalidade da utilização do artefato. Pressupõe a resistência ou o fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física do envolvido ou de terceiros.(…) 2. Procede a irresignação. Consoante fiz ver ao deferir a medida acauteladora, a leitura do ato impugnado revela a adoção de óptica linear pelo Órgão reclamado, no que fundamentou o uso das algemas em razões genéricas. Daí se concluir pela inobservância do contido no Verbete Vinculante nº 11 da Súmula do Supremo. Confiram o texto: Só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado. 3. Ante o quadro, julgo procedente o pedido para declarar a nulidade do Processo nº 0002053-95.2014.8.26.0637 a partir da audiência de apresentação realizada, em 30 de abril de 2014, perante o Juízo da 3ª Vara Cível da Comarca de Tupã/SP.”

A Súmula Vinculante nº 11 gerou polêmica desde o início, porém está em vigor e vale reforçar que o seu principal objetivo, ainda não compreendido na prática, é evitar o uso de algemas para a exposição pública do preso, a fim de coibir, também e por consequência, a violação de preceitos constitucionais, como os princípios da presunção de inocência e da dignidade da pessoa humana. Lamentavelmente, outra vez a exceção se torna regra.

Ingrid

Autor

Advogada (RS)
Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail