• 9 de agosto de 2020

Os 3 tipos de advogados criminalistas

 Os 3 tipos de advogados criminalistas

Os 3 tipos de advogados criminalistas

Você já se perguntou quem é você?

Responda esta pergunta de modo sincero! Se você não respondeu essa pergunta, está tudo bem! Relaxa! Eu também hesitei muito em respondê-la! 

No entanto, eu presumo que você saiba onde quer chegar, pois está aqui! Isso é muito importante e coloca você à frente de muitos, pois qualquer caminho não será suficiente para você!

A advocacia nos coloca à prova todos os dias! Em provas de fogo!

E para vencermos e alcançar o próximo nível é importantíssimo ficarmos atentos às ciladas impostas por nossa mente, não podendo ficar aprisionados ao achismo (nossos e dos outros)!

Existem três tipos de advogados criminalistas:

1. O conformado

Acomoda-se, não reage, aceita passivamente as suas limitações, criando desculpas, intelectuais, sociais e até mesmo físicas para justificar suas desculpas para não progredir.

Entrega-me mesmo antes de lutar pelos suas ideias, projetos e não aspira ser o protagonista de sua nova história, dizendo que tudo é obra do destino, sendo principalmente vítima do seu passado e histórias familiares.

É o estereótipo do profissional deprimido, ansioso, superficial e “rei das desculpas”. Prefere a falsa proteção do seu casulo do que viver em um mundo livre e cheio de oportunidades.

2. O coitadinho

É o advogado que vive sentindo pena de si mesmo. Esse é ainda pior: não quer nem conhecer novas oportunidades ou possibilidades.

Faz um marketing de piedade promovendo com afinco as suas incapacidades e limitações: “nasci pobre”, “sou negro”, “estudei a vida inteira em escola pública”, “gordo”, “magro”, “baixo”, “sou um derrotado”, “tudo dá errado em minha vida”…e por ai vai…

Conhece alguém assim? 

Eu conheço e quero bem longe de mim!

O problema é que essas pessoas, muitas vezes, possuem capacidades extraordinárias e simplesmente jogam no lixo, encarnando um papel melancólico e de autoflagelação. De dez palavras, nove são para reclamar.

Pergunto-me: para que isso? Ganham o que com isso?

Colocar-se como miserável faz com que as pessoas tenham pena de você e seus ganhos sejam secundários!

3. O casca grossa

É aquele advogado que aguenta a pressão, tensões e adversidades, tudo sem mudar a sua essência e integridade.

Ele sabe que a situação difícil de hoje é a glória de amanhã, e que a glória de hoje pode ser a vergonha de amanhã. Sabe que nada é eterno e que suas ações modificam e o colocam como verdadeiro protagonista da sua história. A vida é uma grande aventura em que tempestades e bonanças se alternam e o deixam mais resistentes.

Mas não é tão fácil assim, pois devemos dividir essa capacidade em três áreas: profissional, emocional e espiritual. É o equilíbrio entre esses três fatores que o tornará, além de bem sucedido, uma pessoa feliz!

Muitos não percebem a importância desse equilíbrio e chegam no auge da sua idade e carreira profissional como “mendigos emocionais e espirituais”. Não tem relacionamentos verdadeiros, nenhum respeito pelo próximo: tudo na vida foi construído apenas para ter coisas.

O ser humano é um ser eminentemente sociável. Então: ame pessoas e desfrute das coisas!

Valorize a vida muito mais que o sucesso e o sorriso e abraços sinceros, muito mais que aplausos e títulos.

Quem é você?

A que você está agradando, a si mesmo, o seu cliente ou a plateia?

Chegou a hora de se comprometer com você mesmo! Honrar sua história!

Você não é o que as pessoas dizem de você!

Seja a diferença na vida das pessoas! Tenha empatia, respeito e seja colhedor!

Não se compare com o outro: seja autêntico!

Dê mais valor ao que você tem e fique feliz pelo outro!

Tenha uma mente próspera para que sua vida seja de abundância!


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Amanda Martins

Advogada criminalista