• 29 de novembro de 2020

Os hackers mais destemidos da história

 Os hackers mais destemidos da história

Por Marcelo Crespo

Não é novidade que há um crescente incremento nas práticas de crimes digitais, sendo algo perceptível empiricamente e também por inúmeros estudos, como os da Symantec e da Trend Micro e reportagens sobre o tema, que indicam que os crimes digitais tem objetivado o setor público, esportes e sistemas de saúde, entre vários outros.

Já se disse, por exemplo, que houve mais de 1.500 vazamentos de dados por hackers em 2014, levando ao comprometimento de mais de um bilhão de informações durante o ano — um aumento de 78% em comparação com as informações comprometidas em 2013. Também se divulgou que a Kaspersky registrou o bloqueio de mais de 6,2 bilhões de ataques maliciosos em computadores e dispositivos móveis por seus antivírus em 2014 — um bilhão a mais que em 2013.

No Brasil o Centro de Estudos, Respostas e Tratamento de Segurança (Cert.br) indica que entre os anos de 2013 e 2014 o número de notificações de ataques reportadas aumentou quase duzentos por cento, isto é, passaram de 352.925 incidentes para 1.047.031. A maioria absoluta (44%) composta por tentativas de fraudes.

O aumento dos ataques em si é uma tendência mundial, uma vez que a Internet passa a ocupar, cada vez mais, um importante papel na sociedade.

Embora o perfil do criminoso digital seja complexo e variado, indiscutivelmente parte dos crimes digitais decorre da atuação dos chamados hackers. Embora a nomenclatura seja alvo de alguma crítica (o que será tema de um próximo texto), consideramos que a mesma encontra-se consolidada na sociedade, razão pela qual aqui a adotados.

No texto de hoje vamos, então, conhecer um pouco mais de alguns hackers que causaram enormes prejuízos. Não se pretende que a lista seja a mais completa ou a definitiva, até porque por vezes não pode mensurar exatamente os prejuízos e, por outras vezes, os próprios hackers é quem não são identificados. Vejamos uma lista dos “top 10” que normalmente constam das mais citadas listas de hackers no mundo.

  1. Adrian “The Homeless Hacker” Lamo. O hacker “sem teto” (homeless) ficou assim conhecido porque se utilizava de cafés e bibliotecas como bases para seus ataques e foi responsável por nada menos que ataques ao The New York Times, Google, Yahoo! e Microsoft. Foi preso ainda em 2003 na Califórnia, oportunidade em que teria negociado sua pena com a promotoria de justiça delatando Chelsea Manning, uma militar norte-americana que teria vazado dados do governo americano no episódio Wikileaks.
  1. Jeanson “Resilient” Ancheta. Ficou conhecido por comandar uma rede de botnets (sobre esta definição, vide o nosso artigo da semana passada aqui) para envio de spam. Consta que em 2004 chegou a comandar nada menos que quinhentas mil máquinas utilizando o vírus “rxbot”, oferecendo seus serviços para quem desejasse derrubar grandes sites, isto é, para a prática dos ataques de negação de serviço, conforme tratamos no artigo da semana passada. Jeanson foi preso após o Federal Bureau of Investigations – FBI – simular uma contratação de seus serviços. Após sua prisão foi obrigado a devolver cerca de sessenta mil dólares ganhos com as práticas delitivas, tendo sido condenado a sessenta meses de prisão em 2005.
  1. ASTRA. Nunca foi identificado publicamente e seria um matemático de 58 anos. Autoridades gregas afirmam que ele invadiu sistemas da empresa de aviação Dassault por quase cinco anos, tendo obtido informações sigilosas de aviões militares, tendo-as vendido para cerca de duzentas e cinquenta pessoas de diferentes países, causando um prejuízo estimado em trezentos e sessenta milhões de dólares.
  1. Owen “AKILL” Walker. Em 2008 admitiu ser o culpado por seis acusações de crimes digitais, tendo liderado uma rede de hackers que invadiu mais de um milhão de computadores, subtraindo cerca de vinte milhões de dólares de contas correntes. AKILL, no entanto, teria obtido pouco mais de trinta mil dólares já que cabia a ele escrever os códigos para que outros hackers praticassem os crimes e ficassem com a maior parte do dinheiro obtido ilicitamente.
  1. Kevin “Dark Dante” Poulsen. No início dos anos 90 conseguiu entrar no sistema de uma rádio, bloqueou vinte e cinco linhas telefônicas e, assim, conseguiu ser o 102º ouvinte a ligar que, segundo a promoção do programa, daria um Porsche de presente para este exato ouvinte. Ficou preso por cinco anos e foi proibido de usar a Internet por três anos a contar da data que deixasse a prisão. Atualmente escreve para a revista Wired.
  1. Albert “CumbaJohnny” Gonzalez. Fundou o Shadowcrew.com, site que chegou a reunir quatro mil pessoas e cujos membros podiam comprar e vender números de contas correntes e passaportes, carteiras de motorista, números de seguro social, cartões de crédito, certidões de nascimento e carteiras de plano de saúde. Estima-se que Cerca de 170 milhões de cartões de crédito e débito foram vendidos entre os anos de 2005 e 2007. Gonzalez foi acusado de ter cartões falsos, mas depois de fazer uma delação de outros criminosos evitou momentaneamente sua prisão. Ocorre que, após esta acusação inicial, invadiu o sistema de uma rede de lojas e roubou 45 milhões de cartões de crédito durante 18 meses, o que o levou a ser condenado até 2025.
  1. Kevin “The Condor” Mitnick. Mitnick invadiu os sistemas da Nokia, IBM e Motorola e não se considerava um hacker, mas um engenheiro social. Quando foi preso em 1995 ficou em uma solitária porque o juiz considerou que ele poderia começar uma guerra nuclear usando as teclas do telefone da prisão. Atualmente é consultor de segurança e autor de livros sobre o tema, um deles, A Arte de Invadir, está disponível aqui.
  1. Jonathan “c0mrade” James. Aos 16 anos invadiu o sistema da Nasa e do departamento de Defesa dos Estados Unidos, obtendo softwares que valiam quase dois milhões de dólares à época. Ele teria interceptado o código da Estação Espacial Internacional, levando a Nasa a desligar os computadores da espaçonave por três semanas. Se matou em 2008 após ter sido acusado de invadir uma rede de lojas na Flórida.
  1. Vladimir Levin. Levin transferiu para sua conta quase dez milhões de dólares de várias contas do Citibank sem ter utilizado a Internet mas um sistema de grampos de chamadas telefônicas que “ouvia” os dígitos teclados pelas pessoas quando ligavam para seus bancos.
  1. Gary “Solo” McKinnon. Gary McKinnon invadiu diversos servidores da Nasa e do exército americano entre os anos de 2001 e 2002. Usava, para tanto, o computador da casa da tia de sua namorada, em Londres e conseguiu excluir informações, softwares e arquivos importantes do governo americano, causando prejuízos financeiros. Segundo McKinnon, ele invadiu o sistema da Nasa apenas para encontrar documentos confidenciais que provassem a existência de extraterrestres e garante ter encontrado imagens de OVNIs nos arquivos da agência americana.

Eis, alguns dos mais perigosos hackers e seus feitos. No artigo da próxima semana apresentaremos questões relativas à nomenclatura “hacker”.

_Colunistas-MarceloCrespo

Marcelo Crespo

Advogado (SP) e Professor