• 5 de dezembro de 2020

Para criminalista, acusação contra Felipe Neto é “absurda” e “não se sustenta”

 Para criminalista, acusação contra Felipe Neto é “absurda” e “não se sustenta”

Para criminalista, acusação contra o Felipe Neto é “absurda” e “não se sustenta”

O advogado criminalista Augusto de Arruda Botelho, fundador do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD), afirmou que “a acusação contra Felipe Neto não se sustenta, tecnicamente é absurda e tem uma clara conotação política/pessoal”. Conforme Botelho, a delegacia “simplesmente não investigou” e “ignorou os argumentos da defesa”.

Confira a nota completa do criminalista,

Indiciamento tem esse nome pomposo, mas na prática significa muito pouco. Podemos dizer que ao indiciar um delegado está dando uma opinião que não vincula o Ministério Publico a depois oferecer uma denúncia.

A acusação contra o Felipe não se sustenta, tecnicamente é absurda e tem uma clara conotação política/pessoal.

Segundo o que já foi divulgado na imprensa a delegacia simplesmente não investigou: recebeu uma denúncia, assistiu a vídeos de YouTube, ignorou completamente os argumentos da defesa e sem ouvir UMA PESSOA SEQUER, terminou a “investigação”.

Não é a primeira vez, e infelizmente não será a última, que o direito penal é usado para perseguir alguém. Agora cabe ao MP, com isenção e técnica, arquivar e mandar essa investigação para o lugar dela: a lata do lixo.

O youtuber foi indiciado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro por corrupção de menores, previsto no art. 244-B do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Pratica o crime quem “corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 (dezoito) anos, com ele praticando infração penal ou induzindo-o a praticá-la”. A pena é de reclusão, de um a quatro anos.


Leia mais: 

Felipe Neto é indiciado por corrupção de menores


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Redação

O Canal Ciências Criminais é um portal jurídico de notícias e artigos voltados à esfera criminal, destinado a promover a atualização do saber aos estudantes de direito, juristas e atores judiciários.