• 26 de outubro de 2020

Políticas públicas de enfrentamento à violência doméstica contra a mulher

 Políticas públicas de enfrentamento à violência doméstica contra a mulher

Políticas públicas de enfrentamento à violência doméstica contra a mulher

Por Camila Mattos Simões e Naiane Valéria de Souza

Comércio local funcionando parcialmente, eventos e cirurgias eletivas canceladas, sepultamento limitado a familiares, trabalho em regime de “home office”, restrições no uso do transporte coletivo, higienização das mãos com álcool, uso de máscaras, distanciamento social. É notório que a pandemia do coronavírus mudou a vida e a rotina dos capixabas.

As medidas preventivas acima mencionadas têm o intuito de evitar a aglomeração de pessoas e, por conseguinte, reduzir a propagação do vírus e a instalação do caos na saúde pública por ausência de leitos hospitalares, uma vez que o contágio ocorre “de uma pessoa doente para outra ou por contato próximo por meio de: toque do aperto de mão; gotículas de saliva; espirro; tosse; catarro; objetos ou superfícies contaminadas” (BRASIL, 2020).

Em contrapartida, o Poder Público não calculava que o cenário atual aliado a necessidade da convivência intensa entre entes familiares dentro de suas residências proporcionaria o surgimento, bem como o agravamento de problemas sociais, por exemplo, a violência doméstica familiar contra a mulher.

Partindo desta premissa, fora realizado levantamento das reportagens veiculadas no site “Folha Vitória” no período de 14 de março a 14 de julho de 2020, sendo constatado o registro de 36 (trinta e cinco) casos (Cariacica: 11; Serra: 10; Viana: 01; Vila Velha: 09 e Vitória: 05) de violência familiar contra a mulher em todas suas nuances, ou seja, violência psicológica, sexual, patrimonial, moral e física.

É cediço que nem todos os registros de violência contra a mulher são difundidos pela imprensa, porém observou-se através do levantamento das reportagens uma oscilação no número de denúncias e a prática de violência em todas as suas modalidades.

Ainda em relação as reportagens, da leitura da matéria divulgada no dia 23 de março de 2020 “Prefeituras da Grande Vitória oferecem atendimento à distância para a mulher vítima de violência”, notamos que os meios disponibilizados pelos municípios para denunciar casos de violência no período de pandemia é o telefônico.

Sob outra perspectiva, é sabido que “o risco é agravado num momento em que há poucos abrigos e serviços de ajuda para as vítimas, quando é difícil acessar aqueles ainda abertos e quando diminui o apoio comunitário, há menos intervenções policiais e menos acesso à justiça, já que muitos tribunais estão fechados”, explica Dubravka Simonovic.

Assim levando em consideração a escassez de canais de denúncia acessíveis as mulheres em situação de vulnerabilidade, a Lei n° 14.022, de 07 de julho de 2020, dispôs sobre atendimento as vítimas por meio eletrônico e presencial durante o período de pandemia do Coronavírus.

Não obstante, no dia 17 de julho de 2020 realizamos pesquisas nos sites das Prefeituras da Grande Vitória com a finalidade encontrar ferramentas que propicie o registro de denúncias, mas não encontramos disponibilizados nenhum canal de atendimento virtual ou telefônico visível, gratuito, direto e de fácil acesso.

Segundo a Lei Maria da Penha, cabe a todos os entes da federação a criação de recursos capazes de reprimir a violência doméstica familiar contra a mulher, porém o que percebemos foi que os esforços dos municípes estão voltados exclusivamente ao combate da pandemia do Coronavírus, sendo posto em segundo plano problemas sociais que causam danos nefastos e irreversíveis em lares capixabas.

Diante do cenário pandêmico, com efeito deletério no que tange a violência doméstica e familiar contra a mulher, países se adaptaram, seja com requisições de hotéis para abrigo, lançamento de serviços específicos nos aplicativos e a disponibilidade de acessos remotos como e-mails oficiais para registro de denúncia. Demonstrado, portanto, a importância de adoção de ações com viés de políticas públicas, não somente no caráter legislativo ou sem eficiência, mas no plano concreto que possibilite maior segurança e eficácia na proteção de vítimas.


REFERÊNCIAS

COMO é transmitido. Ministério da Saúde, 2020. Disponível aqui. Acesso em: 13 jul 2020

PINTO, Ana Estela de Sousa. Confinamento eleva número de casos de violência doméstica na Europa, 2020. Disponível aqui.

PREFEITURAS da Grande Vitória oferecem atendimento à distância para a mulher vítima de violência. Folha Vitória, 2020. Disponível aqui.

RELATORA DA ONU: Estados devem combater violência doméstica na quarentena por COVID-19. Nações Unidas Brasil, 2020. Disponível aqui.

Leia também:

Intransmissibilidade de autos e prova ilícita pro reo


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Naiane Valéria de Souza