NoticiasDireito Penal

Polonesa que se diz Madeleine McCann é denunciada por posse de imagens explícitas de crianças, informa autoridade policial

Uma jovem polonesa de 21 anos chamada Julia Faustyna, que afirmava ser a desaparecida Madeleine McCann, foi denunciada por ter imagens explícitas de crianças em seu telefone.

A detetive particular Fia Johansson, que alega ser médium, entregou um relatório às autoridades, afirmando que o dispositivo da jovem continha imagens explícitas de crianças e provas de que ela incentivava meninas a se envolverem em plataformas de sexo.

Leia mais:

Descubra agora: O que a Lei Brasileira revela sobre apologia ao Nazismo e as consequências

CNJ esclarece que resolução não determina libertação de agressor de creche em Blumenau

Fia levou Julia para morar com ela em Los Angeles por questões de segurança, mas entregou seu telefone para o Departamento do Xerife do Condado de Orange. As autoridades alemãs e polonesas estão investigando o caso.

Julia negou veementemente as acusações de ter pornografia infantil em seu telefone e afirmou que nunca tentou incentivar ninguém a cometer atividades ilegais ou prejudiciais. Ela argumentou que se alguma imagem inapropriada foi encontrada em seu telefone, alguém a colocou lá sem o seu conhecimento.

Além disso, ela enfatizou que não faria sentido para um pedófilo se apresentar à polícia ou falar publicamente sobre suas ações, pois isso seria extremamente perigoso.

O Departamento do Xerife do Condado de Orange está investigando o caso e ainda não divulgou informações sobre o assunto. Julia Faustyna ficou famosa nas redes sociais após alegar ser a britânica desaparecida na Praia da Luz, Portugal, em 2007.

Julia acumulou seguidores no Instagram com base em “provas” que apresentou, mas depois de muita polêmica, ela excluiu suas contas nas redes sociais.

Polonesa afirmou ter sido abusada por um pedófilo alemão parecido com um ex-suspeito do caso de Madeleine

Algumas dessas “provas” incluíam uma marca no olho semelhante à Madeleine e a falta de memórias de sua infância. Ela também afirmou ter sido abusada por um pedófilo alemão que se parecia com um ex-suspeito do caso de Madeleine, além de ter ouvido sua mãe admitir que “a pegou”. No entanto, a polícia polonesa e a família de Julia descartaram qualquer possibilidade de ela ser Madeleine.

O investigador Francisco Marco realizou uma análise biométrica que não encontrou semelhanças entre as feições de Madeleine e Julia.

Julia pediu desculpas à família McCann após o resultado do exame de DNA desmentir sua alegação.

A polonesa que ganhou fama nas redes sociais ao afirmar ser uma britânica desaparecida, revelou que seu objetivo principal sempre foi descobrir sua verdadeira identidade e compreender seu doloroso passado.

No entanto, recentemente, surgiram informações de que a jovem polonesa, Julia Faustyna, tinha contas em sites pornográficos e vendia conteúdo erótico online. Ela também teria trabalhado como camgirl e possui um perfil verificado no site Pornhub. Apesar disso, Julia afirmou que seu passado no pornô não muda quem ela é.

Atualmente, ela está enfrentando uma rara doença cerebral e planeja retornar à Polônia para tratamento.

Fonte: Extra

Daniele Kopp

Daniele Kopp é formada em Direito pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) e Pós-graduada em Direito e Processo Penal pela mesma Universidade. Seu interesse e gosto pelo Direito Criminal vem desde o ingresso no curso de Direito. Por essa razão se especializou na área, através da Pós-Graduação e pesquisas na área das condenações pela Corte Interamericana de Direitos Humanos ao Sistema Carcerário Brasileiro, frente aos Direitos Humanos dos condenados. Atua como servidora na Defensoria Pública do RS.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo