ArtigosProcesso Penal

Será que precisamos do árbitro de vídeo (VAR) dentro do sistema judiciário brasileiro?

árbitro de vídeo

Será que precisamos do árbitro de vídeo (VAR) dentro do sistema judiciário brasileiro?

Instaurou-se o caos no judiciário brasileiro, aquilo que já sabíamos, agora foi exposto na grande mídia.

Os conchavos, as parcerias, as reuniões em gabinetes a portas fechadas e agora os grupos no WhatsApp e Telegram (pessoal aderiu a tecnologia).

Pois bem, na última semana tomamos ciência de um vazamento de mensagens entre um Juiz Federal e um Procurador da República, o qual “acertava” detalhes para a conclusão de um processo envolvendo um ex-presidente.

Vamos direto ao ponto: o Juiz não pode ter esse tipo de contato com as partes do processo, seja com defesa ou acusação. O Juiz deve ser isento, deve basear-se no que consta nos autos do processo, julgar pelas provas, não pela mídia, não pelo clamor social, caso contrário deve dar-se por impedido na ação. São inúmeras as manifestações do legislador quanto ao impedimento do magistrado no processo.

Citaremos uma delas, disposta no art. 254, IV do CPP:

Art. 254. O juiz dar-se-á por suspeito, e, se não o fizer, poderá ser recusado por qualquer das partes:

IV – se tiver aconselhado qualquer das partes;

Ora, quem aconselha alguém, ou quer ajudar ou quer prejudicar!

É no mínimo estranho partir de um Juiz o ato de instruir um Procurador sobre atos a serem tomados em um processo. É tão grave, passa tanto descrédito ao nosso Judiciário que nos meus maiores devaneios começo a me questionar: será que precisamos do VAR (árbitro de vídeo do futebol) dentro do próprio sistema judiciário brasileiro?

Será que um Juiz deverá ser monitorado para saber se está “andando na linha”?

É sabido que a corrupção assola nosso país e concordo que ela deva ser combatida com fervor, mas será que corromper-se, com o fito de tentar resolve-la é o caminho que teremos que recorrer…

Reclamamos exaustivamente dos crimes cometidos por nossos governantes e na ânsia de condenação, no desespero de mostrar resultados para a população, uma atitude poderá colocar toda uma árdua operação em risco, por luxo de um Juiz que se acha Deus.

O Código de Ética da Magistratura Nacional, este que com certeza foi esquecido pelo órgão julgador no presente caso, diz o seguinte;

Art. 2º – Ao magistrado impõe-se primar pelo respeito à Constituição da República e às leis do País, buscando o fortalecimento das instituições e a plena realização dos valores democráticos.

Art. 5º – Impõe-se ao magistrado pautar-se no desempenho de suas atividades sem receber indevidas influências externas e estranhas à justa convicção que deve formar para a solução dos casos que lhe sejam submetidos.

Art. 6º – É dever do magistrado denunciar qualquer interferência que vise a limitar sua independência.

Art. 8º – O magistrado imparcial é aquele que busca nas provas a verdade dos fatos, com objetividade e fundamento, mantendo ao longo de todo o processo uma distância equivalente das partes, e evita todo o tipo de comportamento que possa refletir favoritismo, predisposição ou preconceito.

Em suma, queremos um judiciário justo, pautado pelo que determina a legislação, formado por pessoas éticas, por Juízes (humanos), e que saibam a necessidade de serem IMPARCIAIS.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Continue lendo
ArtigosDireito Penal

Entenda a diferença entre racismo e injúria racial

ArtigosDireito Constitucional

A PEC 5/2019

ArtigosDireito Constitucional

O caso de envenenamento dos moradores de rua em Barueri

ArtigosDireito Penal Econômico

Os crimes de colarinho branco, seu alto poder de lesividade e a falência da nação

Receba novidades em seu e-mail