- Publicidade -

Decretada prisão de servidora que fingiu ser advogada e falsificou assinatura de juíza

- Publicidade -

Foi decretada a prisão preventiva de uma funcionária pública que fingiu ser advogada e falsificou assinatura de juíza. Segundo os autos, a acusada se utilizava de atos de expedientes e decisões falsas na tentativa de captar clientes e de soltar presos na cidade do Vale do Itajaí.

- Publicidade -

Fingiu ser advogada

A mulher atendia os clientes como se fosse uma advogada, além de elaborar textos com formatações e timbres de despachos judiciais, todos favoráveis aos seus clientes. A funcionária pública também falsificou e utilizou a assinatura de uma juíza da comarca de Gaspar.

As vítimas, por sua vez, acreditavam que estavam conversando com uma advogada pelo aplicativo WhatsApp e, ao descobrir que tratava-se da autuada, registraram boletim de ocorrência entre os meses de novembro de 2020 e fevereiro de 2021, relatando a adulteração e falsificação de documentos, bem como o fato da funcionária se identificar como advogada.

O magistrado responsável pelo caso, apontou que, por mais que a autuada seja ré primária,

- Publicidade -

sua conduta não só ofendeu as vítimas como também desprestigiou os profissionais e órgãos acima citados, trazendo prejuízo à imagem do Poder Judiciário de Santa Catarina. Assim, vê-se que o caso requer uma resposta célere e dura a fim de evitar reiteração criminosa.

Já a juíza que teve a sua assinatura falsificada, tomou conhecimento do ocorrido aos 18 de fevereiro, por meio de informações trazidas a ela por sua assessoria.

- Publicidade -

A prisão preventiva foi decretada em 26 de fevereiro e o caso tramita em segredo de justiça.

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Canal Ciências Criminais

Leia mais:

- Publicidade -

Entenda como identificar uma prisão ilegal e como agir diante disso


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais