- Publicidade -

Professor é afastado por dizer que vítima pode colaborar com o crime

- Publicidade -

Fábio Pinha Alonso, professor do curso de direito do Centro Universitário Unifio de Ourinhos (SP), foi afastado da instituição após ministrar uma aula online e falar que a vítima de estupro pode colaborar com o crime.

- Publicidade -

Afastado por dizer que vítima de estupro pode colaborar com o crime 

Além de professor, Fábio também era coordenador do curso de direito. Sendo assim, a universidade publicou uma nota na última terça-feira (20), informando que, por causa do incidente, o professor foi afastado também das funções administrativas que exercia.

Durante a aula, o professor ainda havia questionado os alunos sobre quem seria mais fácil de estuprar, uma freira ou uma menina com cinta larga:

Vamos pensar: o que é mais fácil estuprar? Uma freira de hábito ou aquela menininha com a cinta larga? Fala para mim. Que vítima colabora mais com a prática do crime de estupro? Eu estou falando em tom de brincadeira, mas eu quero que vocês imaginem isso.

- Publicidade -

Em outro momento da aula, Fábio falou sobre violência doméstica e o fato de a mulher subserviente ter menos chance de ser vitimada do que a “bocuda”:

Quem apanha mais? Não estou dizendo que isso tem feito, estou falando para vocês, vamos ser realistas. Quem apanha mais? A mulher passiva, que fica quietinha, que vê quando o marido chegou de cara cheia, ou aquela que começa ‘aí, bebeu de novo, trabalhar que é bom você não quer, né seu vagabundo?’ Quem apanha mais? A quietinha ou a bocuda?

Diante das falas, estudantes da instituição remeteram uma carta aberta à direção da universidade, pedindo o afastamento de Fábio e cobrando ações diretas contra o professor. O documento foi assinado por alunos de diferentes períodos do curso de direito.

- Publicidade -

O professor também foi à TV TEM, momento em que alegou ter sido infeliz na fala e no exemplo dado, ao indicar que a vítima da violência sexual poderia ‘colaborar’ com o ato.

No entanto, os alunos afirmaram que:

- Publicidade -

Por mais que a gente tenha conversado já com o professor sobre o ocorrido, as recentes entrevistas por ele dadas aos meios de comunicação, que agora estão sendo divulgadas, demonstram que o que foi exposto pelos alunos ainda não foi por ele compreendido, sendo este o primeiro ponto de nossa nota.

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Canal Ciências Criminais

Leia mais:

Saiba como aumentar a chance de revogar uma prisão


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

- Publicidade -

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais