Projeto de lei criminaliza o desestímulo à vacinação

Tramita no Senado Federal o PL 5555/20, que altera o Código Penal para tipificar as condutas de não submissão a vacinação obrigatória, disseminação de notícias falsas sobre a eficácia da vacina e de desestimulo à adesão a programa de vacinação.

A proposta, apresentada pelo senador Angelo Coronel, criminaliza a conduta de omitir-se ou contrapor-se, sem justa causa, na condição de pais ou responsáveis legais, à vacinação obrigatória de criança ou adolescente, em situação de emergência de saúde pública, com pena de um a três anos de reclusão.

O projeto também criminaliza a conduta de deixar de se submeter, sem justa causa, a vacinação obrigatória em situação de emergência de saúde pública e a de divulgar ou propagar, por qualquer meio, notícias falsas sobre as vacinas do programa nacional de imunização ou sobre sua eficácia. Nessas hipóteses, a pena é de reclusão, de dois a oito anos, além de multa.

Clique AQUI para ler a íntegra da proposta.

Leia mais:

STJ: importar pequena quantidade de sementes de maconha é conduta atípica


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Comentários
Carregando...

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. AcceptRead More