ArtigosDireito Penal

Projeto Vazou: uma pesquisa sobre o vazamento não consentido de imagens íntimas

vazou

Projeto Vazou: uma pesquisa sobre o vazamento não consentido de imagens íntimas

O vazamento não consentido de imagens íntimas, também conhecido como “revenge porn”, é uma forma de violência contemporânea. Pouco se conhece sobre seus motivos e efeitos, características de causadores e vítimas, quais redes sociais são mais utilizadas etc., em especial por causa do baixo índice de denúncias e pela inexistência de fontes oficiais confiáveis.

A falta de dados impede que o fenômeno possa ser compreendido e, por consequência, que políticas adequadas de prevenção e repressão possam ser propostas. Alguns pesquisadores já realizaram entrevistas, estudos de caso e análises de jurisprudência; além disso, há várias reportagens sobre o tema. São ótimas referências, mas ainda nos falta um panorama mais completo sobre esse fenômeno.

Pensando nisso, o Grupo de Estudos em Criminologias Contemporâneas, sediado em Porto Alegre, lançou recentemente o Projeto Vazou, que busca colher essas valiosas informações a partir das experiências das vítimas dos vazamentos. Os resultados, ainda parciais, já trazem algumas informações interessantes.

A maior parte das pessoas que relataram ter arquivos vazados pertence ao gênero feminino (80%). Combinado com os relatos, esse percentual indica que muitos relacionamentos contemporâneos permanecem pautados por uma cultura machista, pela ideia do amor romântico, pela sujeição a um “papel” socialmente esperado e pelo processo de objetificação do outro.

Os pesquisadores, obviamente estão cientes de que o método empírico traz consigo hipóteses de “cifras ocultas”: a baixa incidência de homens respondendo ao questionário pode indicar, por exemplo, um maior silêncio do gênero masculino quanto ao tema; podem ocorrer também casos em que a vítima não relata o vazamento por acreditar que ela assumiu o risco do vazamento, como nos casos em que a própria pessoa envia o “nude”, que vem a ser vazado posteriormente.

Outro ponto interessante é que a grande maioria daqueles que participaram da pesquisa afirmaram conhecer quem vazou o arquivo e, em 70% dos casos, a vítima tinha algum tipo de relacionamento afetivo com quem compartilhou indevidamente a foto ou o vídeo.

Esses dados desmontam a lenda de criminosos estranhos que exploram a vulnerabilidade dos sistemas de informação, evidenciando que esse tipo de violência sexual também é mais frequentemente cometido por pessoas próximas.

Esse fenômeno contemporâneo envolve muitas outras questões que precisam ser melhor compreendidas pela sociedade: os riscos de culpabilização das vítimas; o direito ao esquecimento, concretizado, no meio cibernético, pelo pedido de desindexação de nomes dos mecanismos de busca na internet; a possibilidade de criminalização da conduta de vazamento (já objeto de projetos de lei); as medidas de proteção às vítimas; o desenvolvimento de uma programação própria dos aplicativos que evite o compartilhamento não autorizado; e muito mais.

A pesquisa tem analisado também o que faz com que as pessoas autorizem as gravações íntimas, os motivos dos vazamentos, os aplicativos mais utilizados, suas consequências para as vítimas e as formas de recuperação do incidente. Essas informações estão sendo compiladas e sua análise será publicada nos próximos meses.

Por enquanto, o projeto de pesquisa segue em andamento e conta com a ajuda de interessados em divulgar ao máximo o seu questionário para ampliar o universo de respostas. Se você já teve arquivos de imagens e/ou vídeos vazados, ou conhece quem tenha sido vítima de vazamento não consentido, pode contribuir com a pesquisa acessando o site oficial aqui.

Autor

Doutor e Mestre em Ciências Criminais. Professor, pesquisador, escritor e tradutor.
Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail