ArtigosDireito Penal

Será que os punitivistas são terraplanistas?

terraplanistas

Será que os punitivistas são terraplanistas?

Assunto que tem chamado bastante a atenção daqueles que atuam na seara criminal é o Projeto Anticrime do atual Ministro da Justiça Sérgio Moro.

Dentre os vários pontos sugeridos pelo ex-Juiz, cita-se o obrigatório início de cumprimento de pena após decisão condenatória proferida em segunda instância ou pelo tribunal do júri, a possibilidade de acordo entre o Ministério Público e acusados (plea bargain) para antecipar o cumprimento da reprimenda penal, a imposição de regime inicial fechado para os condenados por crimes de corrupção ativa, passiva e peculato, ou praticados com arma de fogo, a ampliação do tempo necessário para obter o direito à progressão de regime em crimes hediondos em caso de morte da vítima etc.

Inegável que as medidas de política populista propostas pelo Ministro da Justiça implicarão no encarceramento e/ou na ampliação do tempo de permanência no cárcere de um número cada vez maior de pessoas, inflando consideravelmente o já deficitário Sistema Penitenciário Nacional, que está completamente abarrotado.

Mesmo sem questionar os inúmeros pontos do projeto cuja inconstitucionalidade é manifesta, a pergunta que se faz é: onde colocaríamos estas pessoas?

Os movimentos punitivistas que buscam um endurecimento do sistema repressivo não se preocupam com o que será feito com a massa de encarcerados, e parecem acreditar que resolver a situação isolada de seu contexto seria algo “inteligente”.

Façamos um parêntese para ampliar um pouco a problemática.

As estatísticas demonstram que apenas uma pequena parcela dos crimes praticados chega ao conhecimento das autoridades (fala-se em 5/6% – exemplo característico destas cifras negras são os abortos consentidos, clandestinos, que ocorrem diariamente no país), e apenas parte desses delitos são objetos de processos criminais, e também apenas parte destes processos resultam em uma efetiva responsabilização penal.

Longe de defender o abolicionismo penal diante da ineficácia do Direito Penal em sua função (ou disfunção) de proteger bens jurídicos, o que se quer demonstrar é que, se mesmo diante desse diminuto número de condenados (se considerada a relação entre crimes efetivamente praticados e autores efetivamente punidos) o Estado não tem condições, em seu sistema prisional, de atender a demanda, de que forma o Estado suportaria um encarceramento em massa nos moldes desejados pelos punitivistas?

Relembremos que o Ministro Celso de Mello, no julgamento da ADPF 347/DF, consignou em seu voto que

o Estado é o grande responsável pela gravíssima crise que afeta, há décadas, o modelo penitenciário tal como praticado no Brasil.

A propósito, na referida ADPF o Supremo declarou o estado de coisas inconstitucional do sistema penitenciário brasileiro, reconhecendo, portanto, a violação de inúmeros direitos fundamentais das pessoas encarceradas nas prisões, digo, masmorras nacionais.

De fato, quando a Constituição Federal proíbe, por exemplo, penas perpétuas, cruéis e degradantes, é evidente que a vedação do constituinte originário não se volta unicamente ao plano abstrato (isto é, à atuação legislativa de cominação de penas no preceito secundário dos tipos penais), mas principalmente no plano concreto, vale dizer, no tratamento dado aos presos durante a execução da pena privativa de liberdade.

Se pararmos para analisar, diante da atual conjuntura (falência) do sistema prisional brasileiro a pena de morte não seria de todo impossível de ser aplicada e ter efeito prático (embora vedada pela Constituição), pois face às atuais condições em que se encontram as penitenciárias nacionais ninguém seria capaz de sobreviver a 30 anos de prisão (tempo máximo de pena privativa de liberdade previsto no art. 75 do CP).

Na prática, a pena de morte tem condições de ser aplicada!! A estrutura (prisões-masmorras) o Estado já tem, e a vontade, ao que parece, também.

Punitivistas terraplanistas

Mas os punitivistas desconsideram tudo isso (ausência de vagas, estado de coisas inconstitucional das prisões) e querem apenas prender mais e mais.

Daí decorre a conclusão inarredável de que são terraplanistas.

Calma, eu explico!

Embora a ciência tenha provado, à saciedade, que a terra é redonda (ou oval, como queiram) e não plana, há um movimento de pessoas – os terraplanistas – que defendem que a terra não é redonda e que em algum lugar há uma borda.

Os punitivistas pensam assim quanto ao sistema penitenciário nacional, ou seja: vamos prendendo e empurrando estas pessoas até encontrar a borda, pois em algum momento elas vão cair no precipício e automaticamente teremos mais espaço para os outros aprisionados.

Conclusão, o Ministro da Justiça só pode ser um terraplanista.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Então, siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Advogado criminalista
Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail