- Publicidade -

“Quando vai parar?”, lamenta ministro do STJ sobre a morte de gestante

Durante sessão realizada na última quarta-feira (09/06), o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Sebastião Reis Júnior se solidarizou com a família de Kathlen Romeu, grávida e vítima de uma bala perdida no Rio de Janeiro, afirmando que não existe bala perdida!”.

- Publicidade -

Morte de gestante

Emocionado, Reis Jr. continuou a manifestação ao indagar:

Quando vai parar? Quando, efetivamente, serão tomadas medidas efetivas para que isso não ocorra mais?

Mas tratava-se de uma pergunta retórica, já que continuou dizendo que não há resposta para a indagação, e certamente ninguém tem, considerando que não vejo nenhuma preocupação real por parte das autoridades responsáveis com tais atos”.

- Publicidade -

O ministro ainda ressaltou que a fatalidade não é um caso isolado e que os brasileiros, praticamente todas as semanas, recebem notícias de vítimas de balas perdidas, sendo a maioria pessoas negras: São homens, mulheres, crianças… não há um alvo preferido”.

Ele também deu ênfase à sua posição ao se manifestar nesse sentido, reforçando sua característica de sempre cobrar políticas públicas de segurança. Demonstrou preocupação ainda com o aparelhamento material e humano da Justiça, do Ministério Público e da polícia.

Concluiu Sebastião Reis Jr.:

Enquanto não nos preocuparmos com a ressocialização dos condenados, enquanto não discutirmos seriamente a descriminalização das drogas, enquanto não nos preocuparmos em dar educação, saúde e emprego aos milhares de brasileiros que se encontram na faixa da pobreza, o quadro atual só tende a piorar.

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Canal Ciências Criminais


- Publicidade -

Clique AQUI para experimentar o nosso banco de jurisprudência defensiva


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook, no Instagram e no Twitter.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

 

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia Mais