- Publicidade -

Recursos usados na guerra às drogas comprariam 108 milhões de doses de vacina

- Publicidade -

Conforme o relatório produzido pelo Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes, os recursos usados pelos estados de São Paulo e Rio de Janeiro na guerra às drogas giram em torno de R$ 5,2 bilhões no ano de 2017.

- Publicidade -

Esse valor é dividido entre os gastos com Ministério Público, Polícias Civis e Militar, Pública, Tribunal de Justiça e sistemas penitenciário e socioeducativo.

Nas polícias dos estados, por exemplo, a militar do Rio gastou a quantia de R$ 351 milhões e a civil, R$ 64 milhões; em São Paulo, a PM foi destinatária de R$ 651 milhões e a PC de 391 milhões.

O estudo segue afirmando que, apesar do alto gasto monetário com o combate, eventual regulação das drogas também custaria aos cofres públicos, mesmo que em proporções muito menores, dando-se o exemplo da nicotina e bebidas alcoólicas que, mesmo permitidas (em sentido amplo), ainda necessitam de gastos para, por exemplo, serem coibidas a menores de idade.

Aponta o estudo:

- Publicidade -

Esse argumento sem dúvida procede, mas também não parece haver dúvida de que o custo financeiro e social da regulação seria muito menor que o de manter um estado permanente de ‘guerra’ contra amplas parcelas da sociedade, inclusive porque atividades que hoje só geram custos passariam a gerar receita tributária para financiar a fiscalização, como vem ocorrendo em estados norte-americanos que já legalizaram a maconha.

Assim, para exemplificar o custo dessa guerra, se esse valores fossem remetidos ao subsídio da compra das vacinas, no RJ seria possível a compra de 36 milhões de doses da vacina AstraZeneca, o que seria suficiente para vacinar 18 milhões de habitantes contra a Covid-19; ou financiar a educação de 252 mil alunos de ensino médio; ou 32 mil alunos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); ou até mesmo custear durante um ano inteiro o auxílio emergencial no valor de R$ 600 à 145 mil famílias.

- Publicidade -

Julita Lemgruber foi a coordenadora do estudo e afirmou que o racismo no Brasil é escancarado na guerra às drogas:

A guerra às drogas escancara o racismo da sociedade brasileira e é o álibi perfeito para o sistema de justiça criminal, através de suas instituições, matar e encarcerar sobretudo negros, sobretudo pobres.

*Esta notícia não reflete, necessariamente, o posicionamento do Canal Ciências Criminais

- Publicidade -

Leia mais:

Entenda como identificar uma prisão ilegal e como agir diante disso


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais