ArtigosDireito Penal Eleitoral

Retardamento de inscrição eleitoral e perturbação/impedimento de alistamento


Por Bruno Milanez


Seguindo na análise dos crimes eleitorais iniciado há algumas colunas, hoje tratamos dos crimes de retardamento de inscrição eleitoral e perturbação ou impedimento de alistamento eleitoral.

O crime de retardamento de inscrição eleitoral está tipificado no art. 292, do Código Eleitoral (negar ou retardar a autoridade judiciária, sem fundamento legal, inscrição requerida, com pena pecuniária de 30 a 60 dias multa), tendo por bem jurídico objeto de tutela a liberdade do exercício de direitos políticos individuais.

Enquadra-se no conceito de menor potencial ofensivo (art. 61, da Lei 9.099/95), sendo admissível a transação penal. Também se admite a suspensão condicional do processo (art. 89, da Lei 9.099/95). Por se tratar de infração de menor potencial ofensivo, mesmo em hipóteses de condenação transitada em julgado, não há que se falar em inelegibilidade (art. 1º, § 4º, da LC 64/90).

Trata-se de crime próprio, pois a expressão “autoridade judiciária” prevista no tipo penal se refere ao magistrado eleitoral, que detém competência para apreciar – e deferir ou indeferir – os pedidos de inscrição eleitoral. Não apenas o magistrado de primeira instância pode praticar o ilícito, pois o retardo ou negativa de inscrição também pode ocorrer em grau de recurso, como se depreende da análise da regra do art. 45, §§ 7º e 8º, do Código Eleitoral.

O crime é de tipo misto alternativo ou conteúdo variável, de modo que a prática de qualquer um dos verbos nucleares do tipo penal (retardar ou negar a inscrição eleitoral) implica na consumação do crime.

Como todo o crime eleitoral, somente se admite a sua prática na modalidade dolosa. Discute-se se apenas o dolo específico é suficiente para a perfectibilização do crime ou se é necessário o dolo específico, consistente no especial fim de evitar que o cidadão possa exercitar seus direitos políticos. Na medida em que todo e qualquer crime eleitoral deve ser dirigido à tutela de um bem jurídico vinculado ao processo eleitoral – inclusive sob o prisma da liberdade de voto –, deve-se exigir essa finalidade especial para a caracterização do ilícito penal (STOCCO, 2004, p. 672):

“Aliás, a redação do preceito é péssima, mal redigida e equivocada pois o retardamento do pedido de inscrição por parte de autoridade judiciária só por si não pode configurar crime. Se o retardamento não encontrar justificativa e, portanto, caracterizar-se como omissão culposa, diante da negligência do magistrado, ainda assim não há falar em crime. (…) Ainda que o indeferimento de inscrição não esteja devidamente fundamentado ou que a decisão não tenha indicado o dispositivo legal no qual se escorou o julgado ou, ainda, não encontre permissão na legislação de regência, o delito só se caracteriza se o julgador tiver agido com intenção manifesta de prejudicar o requerente, sabendo que a hipótese era de deferimento.”

O crime de perturbação ou impedimento de alistamento eleitoral está tipificado na regra do art. 293, do Código Eleitoral, com pena de detenção de 15 dias a 6 meses ou pagamento de 30 a 60 dias multa.

O delito tem por bem jurídico objeto de tutela o processo eleitoral, sob o prisma da liberdade individual de participação nas eleições. Enquadra-se no conceito de menor potencial ofensivo (art. 61, da Lei 9.099/95), sendo admissível a transação penal. Também á cabível a suspensão condicional do processo (art. 89, da Lei 9.099/95). Por se tratar de infração de menor potencial ofensivo, mesmo em hipóteses de condenação transitada em julgado, não há que se falar em inelegibilidade (art. 1º, § 4º, da LC 64/90).

Em face do princípio da legalidade penal, que dentre diversos aspectos contempla a necessidade de clareza do conteúdo da regra incriminatória, a expressão ‘perturbar’ deve ser considerada inconstitucional, dada a vagueza e a extrema abertura semântica do conceito, não sendo possível conhecer, no ponto e com precisão mínima, o conteúdo incriminador positivado no tipo penal.

A inconstitucionalidade pode ser evidenciada, exemplificativamente, a partir de comparação com a regra do art. 260, do CP, que contempla o crime de impedir ou perturbar serviço de estrada de ferro. Nesse tipo penal, a descrição das condutas que podem ser consideradas como perturbação ou impedimento do serviço – destruir, danificar (inc. I) ou colocar obstáculo na linha (inc. II), por exemplo – garantem ao menos sob o prisma da certeza, a legalidade da regra, o que não ocorre em relação à perturbação de alistamento eleitoral, pois nesse caso não há descrição minimamente adequada de quais condutas seriam consideradas como perturbação para que se considere praticado o crime.

Raciocínio análogo poderia ser aplicado à expressão impedir de qualquer modo a inscrição eleitoral. Tendo-se em vista a enorme abrangência e amplitude do conteúdo, seria possível formular hipótese absurda que, ao menos em tese, enquadrar-se-ia no tipo penal em análise: um cidadão, ao adentrar em um táxi, pede ao taxista que o leve ao Cartório Eleitoral para realizar o alistamento e o taxista se nega a realizar a corrida, tentando demover o cidadão da ideia de realizar a inscrição eleitoral. Em face da completa indeterminação, esse exemplo hipotético caracterizaria, ao menos do ponto de vista do tipo objetivo, a conduta descrita no art. 293, do CE.

Uma possível tentativa de ‘salvar’, sob o prisma da legalidade, o tipo penal em análise seria considerá-lo como crime próprio, em que o sujeito ativo somente poderia ser funcionário público responsável por promover o andamento do procedimento do alistamento eleitoral retarda injustificadamente o alistamento eleitoral, com o objetivo específico de obstar o exercício da liberdade de participação no pleito eleitoral do cidadão. Porém, estar-se-ia em essência criando um novo tio penal, o que em última análise resolve um problema de legalidade mediante a criação de outro problema de igual relevância e intensidade.

Exemplo da extrema dificuldade em se definir o conteúdo exato da incriminação contida no tipo penal objetivo consiste nos comentários ao crime em análise realiados por José Joel Cândido (2004, p. 280):

“A perturbação não precisa impedir; basta que atrapalhe, atrase, dificulte ou embarace o alistamento. A não ser assim, esse verbo-núcleo (perturbar) não teria sentido no texto. É suficiente o dolo genérico para a configuração do crime. Por outro lado, basta que o agente impeça por algum tempo o alistamento para se caracterizar a infração, mesmo que, depois, o ato cartorial venha a se realizar. Há, aqui, mais do que proteção, um certo estímulo da lei ao alistamento. O impedimento deve inviabilizar, no todo ou em parte, o alistamento, para que o agente mereça a censura da norma repressiva.”

Como se vê, fala-se muito mas pouco se diz. E não se esclarece com um mínimo de objetividade o que significa perturbar ou impedir, no contexto do ilícito eleitoral. No mesmo sentido da indefinição é a doutrina de Fávila Ribeiro (1986, p. 503), para quem

“reprime-se no art. 293 a ação que objetiva perturbar ou impedir, por qualquer forma, o alistamento eleitoral. A perturbação focalizada pode consistir em uma variedade de atos que entravem, tumultuem, ocasionem dispersão dos alistandos ou que afetem o próprio funcionamento do serviço de alistamento.”

Contudo, em que pesem as críticas formuladas, caso se entenda pela constitucionalidade do dispositivo, trata-se de tipo misto alternativo ou de conteúdo variado, de modo que a prática de qualquer das condutas (perturbar ou impedir) implica no reconhecimento do crime. Cuida-se ainda de crime comum, que não exige qualidade específica do sujeito ativo para ser praticado. E como todo e qualquer crime eleitoral, somente admite a modalidade dolosa. Na doutrina, entende-se que o dolo genérico é suficiente para a perfectibilização do crime.


REFERÊNCIAS

CÂNDIDO, Joel J. Direito Eleitoral Brasileiro. 11. ed. São Paulo: EDIPRO, 2004.

RIBEIRO, Fávila. Direito Eleitoral. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1986.

STOCCO, Rui; STOCCO, Leandro de Oliveira. Legislação Eleitoral Interpretada: doutrina e jurisprudência. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

_Colunistas-BrunoMilanez

Autor

Doutor e Mestre em Direito Processual Penal. Professor. Advogado.
Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail