Noticias

Caso Robinho: Comissão da Alesp pede ao STJ urgência para julgamento do caso

A Assembleia Legislativa de São Paulo, solicitou através da Comissão de Constituição e Justiça, que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgue com caráter de urgência os processos envolvendo Robinho.

Robinho foi condenado pela justiça italiana a uma pena de nove anos de prisão pelo crime de estupro. Porém, como se trata de brasileiro nato, não pode ser extraditado, conforme determina a Constituição Federal, diante disso, a Itália vem solicitando que a pena aplicada ao ex-jogador seja cumprida no Brasil. O caso está sendo analisado pelos ministros do STJ.

Leia mais:

Caso Boate Kiss: relator no STJ propõe afastar nulidades em condenações do caso

Madeleine McCann: os efeitos dos julgamentos da mídia na justiça

STJ analisa pedido de cumprimento da pena aplicada a Robinho

Em abril, a corte especial do STJ iniciou o julgamento de um recurso apresentado pela defesa de Robinho, onde foi pleiteado que o governo Espanhol envie a cópia integral e traduzido para o português do processo que resultou na sua condenação.

Ao apreciar o caso, o ministro relator Francisco Falcão, votou pelo indeferimento do pedido da defesa. Porém, a votação foi suspensa após pedido de vista solicitado pelo ministro João Otávio de Noronha.

Após uma reportagem do UOL, que foi ao ar na última quarta-feira (14), onde foi divulgado os áudios de conversas entre Robinho e seus amigos, que embasou a denúncia do ministério público italiano, a Alesp pediu a prioridade do julgamento e sustentou:

“Com efeito, entendemos ser necessário que os referidos feitos tramitem de forma prioritária, em razão de se tratar de assunto relacionado à violência contra a mulher. A demora no julgamento desses casos acaba penalizando novamente a vítima, prevalecendo a impunidade dos agressores.”

No áudio divulgado pelo UOL, Robinho conta a amigos sobre ter visto seus amigos fazendo sexo com a mulher que os acusa de estupro e fala em dar um soco no rosto dela.

Robinho
Robinho foi condenado a pena de nove anos pelo crime de estupro na Itália

Fonte: Folha de S. Paulo

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo