Artigos

Se no tempo pudesse voltar, advogado novamente o seria!

Canal Ciências Criminais

Por Jean Menezes de Severo

Fala meu povo! Mais uma coluna chegando, desde já agradecendo o carinho e os cumprimentos que recebi dos leitores devido à última coluna (Máquina de fazer vilão). É muito bom saber que, aos poucos, estou conseguindo tocar o coração dos leitores com histórias verídicas; que enfrento no meu dia a dia na condição de advogado criminal. Então, vamos para mais uma coluna. Forte abraço e espero que gostem.

Nunca tive dúvidas vocacionais. Muito cedo encontrei na advocacia meu porto seguro. Logo no primeiro semestre de faculdade, no entanto, acho que o advogado deve ter algumas qualidades primordiais para o bom desempenho profissional que, no meu modesto entender, são estas:

Senso de humanidade: Não estou falando que todo advogado deva ser um “Gandhi”, mas todo profissional, principalmente aquele atuante na área criminal tem que possuir um olhar diferente para com o ser humano, sempre acreditando que uma vida humana tem sim muito valor em qualquer circunstância. Se você não acredita que o homem é recuperável, que todos nós somos passíveis de errar e que merecemos sim uma nova chance, esqueça a advocacia criminal; não foi feita pra você.

A palavra certa na hora incerta: Quando alguém esta sendo preso ou por algum tempo já se encontra preso é natural que essa pessoa não esteja vivendo seu melhor momento na vida. Contudo, quando ela é presa, principalmente em flagrante, temos alguém acuado, com medo, afinal de contas, ela ainda não sabe bem o que vai encontrar no presídio. Conhece histórias contadas pela mídia, mas ainda não enfrentou a dor do cárcere, portanto, caro estudante, tenha sempre uma palavra de fé e de força para seu constituído, sem vender ilusões sobre uma rápida soltura ou coisa do tipo. Apenas seja leal e verdadeiro; ele vai precisar deste estimulo para enfrentar o cárcere.

E quanto àquele apenado que já encontra-se preso por um tempo considerável? Como proceder? Como é importante um advogado vibrante, que lhe passe confiança, que seja otimista invariavelmente, que tenha um sorriso para oferecer para aquele que não se lembra mais o que é sorrir. Tenho uma cliente que está presa há mais de um ano e meio; quando estava solta, tinha uma vida plena, trabalhava, tinha um relacionamento amoroso estável, estava sempre rodeada pela sua família e amigos. Hoje, no presídio, está reclusa, no isolamento, em sua cela não existem tomadas, janta às cinco da tarde e logo adormece após tomar uma grande quantidade de remédios para dormir. Acorda ainda de madrugada, com os barulhos das panelas que preparam o café da manhã das detentas. Confidenciou-me que, desde que este humilde defensor veio a abraçar sua causa, tudo para ela mudou. Disse que trouxera novas esperanças para ela e que minha energia de advogado aguerrido havia lhe contaminado e, por fim, que esperava ansiosa a semana para ver meu sorriso junto ao parlatório. Confesso que isso me toca o coração. Um sorriso, um singelo sorriso pode fazer toda a diferença, que loucura é essa vida!

Ser inconformista, quase um rebelde: Não acredito em criminalistas mansos. Advogado criminal tem que possuir sangue nos olhos, pisar firme, mas sem nunca perder a educação; falar com força e, principalmente, saber o que está falando; conhecer os seus direitos de defensor que compõem o tripé judicial: advogado, magistratura e Ministério Público. Sem advogado não existe justiça. Ora, pela Constituição Federal, também somos essenciais à administração da Justiça!. Você tem que visualizar a grandeza e a beleza que existe em ser um defensor. Sabem qual era a coisa que mais me incomodava logo após minha formatura? Era algum parente idiota perguntando: Não vai fazer concurso pra juiz? Olha… Uns eu mandei longe mesmo! Sou advogado, amo minha profissão e advogados bem sucedidos superam os ganhos de qualquer magistrado ou outro servidor público. Sei que não é fácil, que a caminhada é difícil, mas quem falou que seria barbada?

Sede por saber mais: Atualização profissional sempre! Até mesmo porque, quando fazemos o que amamos, temos sempre vontade de apreendermos mais e esse, creio eu, seja um dos grandes segredos da vida: fazer o que se gosta. Acordar pela manhã e sorrir ao partir para uma audiência, um júri, atendimento no escritório ou apenas fazer uma singela petição de juntada. Fico um pouco preocupado quando escuto de alguns jovens: Não sei para que profissão irei prestar vestibular, então logo vou fazer Direito… Neste momento, penso em um futuro colega frustrado, sem ânimo, com vários anos de advocacia e ainda tentando prestar concurso, já que ele não advoga bem e não estuda o suficiente para uma aprovação em concurso, portanto sempre será aquele profissional mais ou menos.

No meu modesto entender estas são as principais virtudes que um advogado deve ter: Paixão pelo que faz, comprometimento com o cliente, procurar sempre aprimorar-se cada vez mais, saber, que às vezes, a família vai sim ficar em segundo plano, ter fé que aquele recurso vai “cantar”, não desistir jamais, recorrendo sempre que possível e ter a certeza que a advocacia é a profissão mais linda que existe e já vou dizendo lá no céu quando partir:

Patrão velho, se existir outra vida para melhorarmos como espírito, em outra reencarnação eu volto, tudo bem, mas quero ser de novo ADVOGADO CRIMINAL!

JeanSevero

 

Autor
Mestre em Ciências Criminais. Professor de Direito. Advogado.
    Continue lendo
    Receba novidades em seu e-mail