Noticias

Sonegação de R$ 12 milhões: polícia investiga empresa de fachada que emitia notas frias

Operação da Polícia Civil desmantela esquema de sonegação fiscal em Brasília

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deu um grande passo na luta contra a sonegação fiscal, um problema que prejudica tanto a economia local quanto a nacional. Em uma operação realizada na manhã da última sexta-feira (20/10), foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão com o objetivo de coibir uma organização ilegal. Este grupo, foco da operação policial, era formado por empresas do ramo de equipamentos de filmagem, fotografia e drones, que operavam na capital do país, e possuíam um esquema criminal bastante sofisticado.

sonegação
Imagem: Política Distrital

Leia mais:

Ladrão finge ser manequim para furtar joias em loja

Pena de morte: mulher que matou marido para ficar com o amante será enforcada

Como funcionava o esquema de sonegação?

Após intensas investigações da Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Ordem Tributária (DOT), a polícia conseguiu identificar detalhes surpreendentes acerca do funcionamento da organização. Segundo as informações reveladas, o grupo empresarial obteve uma dívida tributária superior a R$ 12 milhões, resultante justamente desse esquema de sonegação fiscal. O grupo fazia uso de empresas de fachada para emitir notas fiscais inautênticas e, por meio dessas empresas, movimentava o dinheiro arrecadado por meio das ilegalidades tributárias, prática que já se estendia por, pelo menos, uma década.

Quem eram os “laranjas”?

Para facilitar o funcionamento do esquema, os criminosos recrutavam “laranjas”, pessoas que emprestavam seus nomes para a constituição das empresas de fachada. Esses “laranjas” até mesmo incluíam funcionários e parentes dos investigados, pessoas cujo padrão de vida era totalmente incompatível com os valores milionários que eram movimentados através destas empresas. De acordo com a investigações, as contas bancárias dessas empresas “fantasmas” e pessoais, em nome dos “laranjas” ou funcionários, eram usadas para movimentar os valores provenientes das atividades ilícitas. Essa prática permitia que a empresa, atualmente em operação, se apresentasse como regular perante a Receita, devido ao esquema de sonegação.

Qual o resultado da operação?

Na operação realizada, foram apreendidos cerca de R$ 80 mil em moeda nacional e estrangeira. A ação contou com a participação de equipes da Polícia Civil de Goiás (PCGO) e da Delegacia Seccional de Polícia de Mogi das Cruzes (SP), além da PCDF. Os envolvidos no esquema estão sendo investigados pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e falsidade ideológica. Em caso de condenação, eles poderão receber uma pena de até 27 anos de prisão.

Essa operação é mais uma demonstração do compromisso das forças de segurança em coibir práticas ilegais que prejudicam a economia e trazem prejuízos para toda a sociedade. Este caso ainda está em investigação e novas informações acerca do esquema podem surgir a qualquer momento.

Fonte: Metrópoles

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo