- Publicidade -

STF: o julgador não está vinculado a pedido formulado pelo Ministério Público

- Publicidade -

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o julgador não está vinculado a pedido formulado pelo Ministério Público. Conquanto o magistrado não possa decretar a prisão preventiva de ofício, pois depende de representação da autoridade policial ou do Ministério Público, ele não está obrigado a revogar a prisão anteriormente decretada, em razão do pedido formulado pelo Parquet.

- Publicidade -

A decisão teve como relator o ministro Gilmar Mendes:

Ementa

HC 195009 AgR Órgão julgador: Segunda Turma Relator(a): Min. GILMAR MENDES Julgamento: 29/03/2021 Publicação: 06/04/2021 Ementa Agravo regimental no habeas corpus. 2. Prisão preventiva decretada após representação do Ministério Público, que, posteriormente, requereu sua substituição por medidas cautelares diversas. Alegação de que o magistrado está obrigado a acolher o segundo pedido formulado. Improcedência. 3. O Supremo Tribunal Federal tem entendimento firmado no sentido de que o julgador não está vinculado a pedido formulado pelo Ministério Público. Conquanto o magistrado não possa decretar a prisão preventiva de ofício, pois depende de representação da autoridade policial ou do Ministério Público, ele não está obrigado a revogar a prisão anteriormente decretada, em razão do pedido formulado pelo Parquet. 4. Necessidade de reavaliação da prisão preventiva, à luz do artigo 316, parágrafo único, do CPP. O Plenário desta Corte, nos autos da Suspensão de Liminar 1.395, firmou entendimento no sentido de que a falta de reavaliação da prisão preventiva, a cada 90 dias, nos termos do artigo 316, parágrafo único, do CPP, não gera direito à revogação automática da prisão preventiva. 5. Agravo improvido. Legislação LEG-FED DEL-003689 ANO-1941 ART-00316 PAR-ÚNICO CPP-1941 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL.

- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

STJ define novas diretrizes para valoração das circunstâncias do crime de roubo


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais