- Publicidade -

STF revoga prisão preventiva de condenado a pena inicial em semiaberto

- Publicidade -

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu habeas corpus (HC 204618) a homem condenado a cinco anos de reclusão, em regime semiaberto, por tráfico de drogas (48,5 g de maconha). O homem estava preso preventivamente.

- Publicidade -

Na sua decisão, o ministro autorizou o juízo de origem, isto é, o da 1ª Vara Criminal da Comarca de Joinville (SC) a impor medidas cautelares diversas da prisão, nos termos do artigo 319 do Código de Processo Penal (CPP).

Nos argumentos do remédio constitucional, os impetrantes alegaram a incompatibilidade da manutenção da prisão preventiva quando já fixado o regime semiaberto e apontaram que o juízo de origem não declarou nenhuma circunstância válida que justificasse a prisão cautelar para manutenção da ordem pública.

O Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina (TJSC) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitaram, por decisão monocrática, seguimento dos habeas corpus respectivamente impetrados nas cortes.

- Publicidade -

Embora tenha entendido que, no caso do HC analisado, via de regra, incidiria óbice ao trâmite do habeas corpus, pois se voltaria contra decisão monocrática de ministro do STJ, o ministro Alexandre de Moraes explicou que foi verificada excepcionalidade prevista na jurisprudência do STF.

O ministro afirmou que os fundamentos das instâncias de origem não são suficientes a justificar uma medida cautelar extrema como a prisão, ainda mais pelo fato do homem ter sido condenado ao cumprimento de pena privativa de liberdade em regime inicial semiaberto. Afirmou o ministro que:

A prisão não se revela, portanto, adequada e proporcional, podendo ser eficazmente substituída por medidas alternativas.

Por fim, o ministrou pontuou que a manutenção da prisão preventiva em regime semiaberto carece de amparo legal e desvirtua o instituto da prisão preventiva, o que caracterizaria antecipação do cumprimento da pena sem a exata definição da responsabilidade criminal.

Leia também

- Publicidade -

Joice Hasselmann afirma que entregou nomes de dois desafetos à polícia


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciário

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia Mais

Caso Araceli: O Mistério Que o Brasil Jamais Esqueceu Especialista analisa pedido de desculpas de Guilherme de Pádua Por que a série exibiu fotos chocantes do corpo de Daniella Perez? Giovanna Antonelli pede ‘cadeira elétrica’ para Guilherme de Pádua Alexandre Frota revela detalhe envolvendo a atriz Daniella Perez