Noticias

STJ: interrogado pode responder apenas as perguntas feitas por seu advogado

A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça autorizou que um réu acusado de homicídio qualificado praticado em facção criminosa realizasse um novo interrogatório e respondesse apenas as perguntas feitas pela defesa.

Os advogados do investigado impetraram Habeas Corpus perante o Tribunal Superior alegando a ilegalidade do interrogatório, sob o fundamento de que a defesa foi prejudicada pois o réu teria sido impedido de responder apenas as questões suscitadas pela defesa.

O relator do HC, o desembargador convocado, Olindo Menezes, deu provimento ao pedido da defesa sob o fundamento de que não há nenhuma previsão legal que determine o encerramento do interrogatório sem possibilidade de indagações pela defesa após a declaração da opção do exercício do direito ao silêncio seletivo pelo acusado.

Segundo o magistrado, “a letra da lei é clara ao dizer que serão formuladas perguntas, às quais o réu pode ou não responder”. O ministro destacou ainda que o interrogatório, como meio de defesa, permite a possibilidade de responder a todas, nenhuma ou a algumas perguntas direcionadas ao acusado.

Com esse entendimento, o relator concedeu o HC e determinou que seja realizado novo interrogatório do paciente, devendo ser assegurado o direito ao silêncio, total ou parcial, sendo facultado o direito de resposta apenas das perguntas de sua defesa técnica, exercendo diretamente a ampla defesa.

O voto do relator, no HC 703.978, foi seguido por unanimidade pela 6ª turma do STJ.

Leia também

STJ mantém prisão de homem que empreendeu fuga em direção perigosa


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo