- Publicidade -

Teses sobre homicídio (parte 8)

- Publicidade -


- Publicidade -

Por André Peixoto de Souza


O ato de esquartejamento possui sentido e significado superior à mera separação “utilitarista” do corpo e à “publicidade” social. Pois em primeira vista o desmembramento do corpo serve à ocultação do crime, e em segunda vista – também elementarmente – à exemplificação. Separação do corpo para mais facilmente carregá-lo, para queimá-lo, para descartá-lo. Separação do corpo para mostrá-lo, para exercitar poder disciplinar: que o digam os algozes de Damiens e Tiradentes.

Cabe, no entanto, outra análise desse ato tão [aparentemente] repugnante, tão abominável, tão cruel, que envolve o rompimento das articulações, a serragem de membros, a decapitação.

- Publicidade -

A sagrada unidade do corpo, tornado vida por circunstância metafísica, foi objeto de estudos filosóficos, teológicos, biológicos e jurídicos, e recebe todo tipo de reconhecimento no plano científico e espiritual. Unidade do corpo: ato individual tornado potência coletiva por necessidade de propagação e existência; máquina [complexa] composta e articulada que objetiva a existência; significado e materialização de existência; permissão e permissibilidade de, em conjunto, abstrair [nova] existência; em suma, conditio de existência.

A separação da unidade corpórea, ou o ato de separação, revela necessidade ou desejo de inexistência, de aniquilamento, de destruição do reconhecimento. O desmembramento do corpo dá vazão a um sentido de inexistência. Desmembrar, separar, dividir o que era uno e – necessariamente – indivisível configura um poder além do disciplinar: poder “constituinte” do sujeito (corpo e consciência) para mais ou para menos. Separar e (re)unir, ou o ato de separar e (re)unir, pode representar o maior poder do homem, perceptível na mitologia, na religião e na realidade jurídica (pelas penas), médica (pelos experimentos e depois tratamentos e cirurgias) e/ou criminosa (pelo crime – lesão corporal grave, homicídio e ocultação de cadáver). Vide, em todos os sentidos, os experimentos siameses do “SS” Mengele!

O ato de serrar o corpo humano possui padrão estético definido. Os esquartejamentos (a facas, cutelos, machados ou serrotes) seguem uma “lógica” sequencial: braços, pernas, tronco – pélvis e peito – e, finalmente, cabeça. Essa explicável apoteose dá fim ao reconhecimento daquela subjetividade, agora mera carne, nunca mais pessoa, separada em pelo menos sete partes.

O esquartejador não “apenas” matou a vítima. Homicídio é meio para um fim de DESTRUIÇÃO da carne e da ideia/consciência/existência da vítima. Se essa destruição serve para acondicionar o corpo, ou para exemplificar à sociedade, isso menos importa.

- Publicidade -

andré2

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia Mais

Exame de DNA resolve caso de assassinato mais de 50 anos depois Justiça brasileira investigou Margarida Bonetti, mas nunca a encontrou Goleiro Bruno cria vaquinha online para pagar pensão Nova lei em Salvador define multa para quem assediar mulheres Justiça manda prender goleiro Bruno por não pagar pensão alimentícia