ArtigosDireito Penal

The Intercept cometeu crime virtual ao divulgar as mensagens fornecidas por um hacker?

The Intercept cometeu crime virtual ao divulgar as mensagens fornecidas por um hacker?

Desde o último domingo, a empresa jornalística The Intercept vem publicando conversas dos procuradores da Lava Jato com o ex juiz federal Sérgio Moro.

Segundo informações que circulam nas redes sociais e na internet, a The Intercept teria divulgado apenas 1% do conteúdo obtido através da ação criminosa de um hacker.

Nessa perspectiva, muitas dúvidas surgiram essa semana com esses episódios. Indagações se o hacker poderia responder criminalmente e se a The Intercept estaria cometendo crime ao divulgar as informações obtidas ilicitamente.

Hacker

Um hacker é um indivíduo que se dedica, com intensidade incomum, a conhecer e modificar os aspectos mais internos de dispositivos, programas e redes de computadores.

Mas o termo hacker é usado popularmente para descrever pessoas que fazem modificações e manipulações não triviais ou não autorizadas em sistemas de computação, ou seja, ilegalmente.

Em 2013, o código penal foi alterado pela “lei Carolina Dieckmann”, referência à atriz da TV Globo, que motivou a discussão sobre o endurecimento das punições a crimes cibernéticos após 36 fotos suas terem vazado na internet.

Com a lei, foram acrescidos o art. 154-A e 154-B, o parágrafo 1° do art. 266 e o parágrafo único do art. 298 do Código penal.

Apesar das modificações, a tipificação dos crimes cibernéticos depende do preenchimento de requisitos legais, como exemplo, qual bem jurídico tutelado foi lesado.

Portanto, no caso do hacker que invadiu o celular – segundo informações, do procurador Dallagnol – e copiou / furtou as mensagens do Telegram, sem dúvidas, cometeu um ilícito penal.

The Intercept

The Intercept é um jornal on-line lançado em fevereiro 2014 pela First Look Media. A organização de notícias foi criada e financiada por Pierre Omidyar, fundador da eBay, e os seus editores são Glenn Greenwald, advogado norte-americano, especialista em direito constitucional e ex-jornalista do The Guardian; Laura Poitras, cineasta, documentarista e escritora e Jeremy Scahill, jornalista investigativo norte-americano, especialista em assuntos de segurança nacional. A versão brasileira iniciou suas atividades em agosto de 2016.

Afinal, a The Intercept, ao publicar os conteúdos hackeados, infringiu a legislação penal?

Em primeiro lugar, partimos do preceito constitucional previsto no Art. 220 da CF/88:

Art. 220. A manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição.

O STF, ao tratar do tema, entende que o art. 220 da Constituição radicaliza e alarga o regime de plena liberdade de atuação da imprensa, porquanto fala: a) que os mencionados direitos de personalidade (liberdade de pensamento, criação, expressão e informação) estão a salvo de qualquer restrição em seu exercício, seja qual for o suporte físico ou tecnológico de sua veiculação; b) que tal exercício não se sujeita a outras disposições que não sejam as figurantes dela própria.

Portanto, o direito de imprensa é uma atividade de interesse público de interesse nacional. Qualquer medida de censura é ilegal.

A liberdade de expressão é um conceito fundamental nas democracias modernas nas quais a censura não tem qualquer respaldo moral.

Assim, ao publicar as conversas, a The Intercept não cometeu qualquer crime, devido a proteção constitucional à liberdade de imprensa e a liberdade de expressão.

Caso a The Intercept tivesse contratado um hacker para cometer o crime, certamente responderia pelo delito.


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Autor

Pós-graduando em Direito Constitucional. Membro da Comissão Especial de Estudos de Criminologia Crítica. Advogado.
Continue lendo
ArtigosTribunal Criminal

Nós, os jovens tribunos, vistos por eles, os jurados

ArtigosDireito Penal

Direito Penal não se aprende nos telejornais, muito menos com os "formadores de opinião" da Internet

Artigos

(In)aplicação da reincidência na substituição de PPL por PRD

ArtigosProcesso Penal

Ainda sobre a prisão após condenação em segunda instância

Receba novidades em seu e-mail