- Publicidade -

TJ-SP: Lei 13.964/2019 deve retroagir em caso de porte ilegal de arma de fogo

- Publicidade -

A 16ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) confirmou decisão de primeiro grau, deixando de considerar a hediondez do crime de porte ilegal de arma de fogo com numeração raspada. Para o tribunal,

- Publicidade -

A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores, ainda que decididos por sentença condenatória transitada em julgado.

No caso em apreço, o Ministério Público recorreu de uma decisão pedindo ao TJ-SP que reconhecesse a natureza hedionda do crime, fazendo novos cálculos com base nas frações exigidas para os crimes de natureza hedionda para conceder os benefícios previstos em Lei.

A turma julgadora recusou o apelo ministerial. Inicialmente, o desembargador Otávio de Almeida Toledo, relator do processo, fundamentou a aplicação da Súmula 611, que define a competência do juízo da execução para aplicação de lei posterior mais benéfica.

- Publicidade -

Toledo fundamentou ainda que a Lei 13.964/19 (Pacote Anticrime) alterou o rol dos crimes hediondos e apenas o crime de porte ou posse ilegal de arma de fogo de uso proibido manteve a natureza hedionda, conforme previsão constante do artigo 1º, parágrafo único, II, da Lei 8.072/90. Por essa razão, não seria aplicável as novas frações pleiteadas pelo ministério público para a concessão dos benefícios penais ao acusado.

Portanto, para o Tribunal, embora na época dos fatos o crime de porte de arma de fogo com numeração raspada fosse hediondo, sobreveio Lei Penal mais benéfica ao réu, devendo prevalecer o afastamento da natureza hedionda do delito, juntamente com esse entendimento, deve ser levado em consideração a competência do juízo da execução para aplicação de leis posteriores que favoreçam o acusado, conforme a redação do artigo 66, I da Lei de Execução Penal.

A decisão do relator foi seguida de forma unânime pelos demais integrantes da 16ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP.

Leia também

Mulher é condenada por comercializar medicamentos abortivos


- Publicidade -

Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. AceitarLeia Mais

Exame de DNA resolve caso de assassinato mais de 50 anos depois Justiça brasileira investigou Margarida Bonetti, mas nunca a encontrou Goleiro Bruno cria vaquinha online para pagar pensão Nova lei em Salvador define multa para quem assediar mulheres Justiça manda prender goleiro Bruno por não pagar pensão alimentícia