- Publicidade -

Usada no caso Nardoni, animação 3D cresce na advocacia criminal

- Publicidade -

A animação 3D tem progredido no Brasil. Desde o caso Nardoni, quando o crime foi reproduzido na TV em animação 3D, tem crescido o número de adeptos à tecnologia

- Publicidade -

Tudo desencadeou quando o caso Nardoni, extremamente noticiado em veículos televisivos, incluindo o Fantástico da TV Globo, foi reconstruído por meio de animação em 3D para que os telespectadores pudessem ter a visão de como o crime teria ocorrido. A animação apresentava de forma dinâmica como tudo teria ocorrido naquela noite.

O crime ocorreu em 2008, tendo chocado o país por se tratar de homicídio contra uma menina de apenas 5 anos. A criança, Isabella Nardoni, foi jogada pelo próprio genitor de um edifício em São Paulo/SP, onde morava com o pai Alexandre Nardoni e a madrasta Ana Carolina Jatobá.

As imagens em 3D exibidas pelo programa Fantástico reproduziram a cena e o momento do crime, desde a entrada dos envolvidos na garagem do prédio até o momento em que o pai joga Isabella pela janela do sexto andar. 

Além da exibição na TV, a animação em 3D também foi apresentada durante as investigações. 

- Publicidade -

A exibição da animação 3D causou nos telespectadores uma forte comoção, gerando posteriormente citações e lembranças claras de frames específicos do vídeo exibido no Fantástico, principalmente o momento em que o pai leva a filha até a janela do apartamento e a joga.

Mesmo com o fim trágico do caso, a exibição dos fatos em forma de animação 3D revelou o grande potencial de sua utilização. 

Com o avanço da tecnologia, as animações em 3D dispõem cada vez mais de recursos e podem aprimorar até mesmo o meio jurídico. Atualmente, existe a possibilidade de representar personagens e ambientes em cada mínimo detalhe.

- Publicidade -

Alguns empresas brasileiras, como a View 3D Studio, já estão ajudando advogados a aprimorar visualmente a narrativa jurídica, para melhor expor as teses e argumentos aos juízes.

- Publicidade -

Pesquisas apontam que a utilização de vídeos e animações é de grande auxílio na compreensão e retenção de informações para o público. Esta forma de exposição de fatos atrai os telespectadores.

Por isso, cada vez mais cresce o número de advogados que utilizam tais recursos em processos judiciais, principalmente no plenário do júri, a fim de melhor expor os argumentos e conseguir convencer os jurados.


Leia também

STJ: a deficiente instrução dos autos impede a análise do habeas corpus


- Publicidade -

Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

- Publicidade -

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais