O verbo ‘ocultar’ e o seu significado para a Lei de Lavagem de Dinheiro

Por

Nos textos que escrevi aqui sobre a Lei de Lavagem de Dinheiro, tratamos da origem da norma e ainda sobre a ampliação do rol dos crimes antecedentes, configuradores do crime.

Como já explicamos, a lavagem de dinheiro vem definida no art. 1º da Lei 9.613/98:

Art. 1º Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal.

Da leitura do texto legal, se depreende a especial atenção que precisamos dar ao verbo “ocultar”. Muitos perguntam do que ele se trata: o que compreende o ato de “ocultar”? Segundo os dicionários, “ocultar” significa “subtrair às vistas”, “esconder”, “dissimular”, “sonegar”, “não revelar”.

De fato, entender o seu significado é determinante para definir a materialidade do crime de lavagem, pois se a conduta do agente não se adaptar completamente àquilo que foi discriminado pela lei, isto é, ao que realmente significa o ato de “ocultar”, a conduta será atípica.

Por outro lado, sabe-se que o processo de lavagem de dinheiro vem dividido ao menos em três fases: a “ocultação”, a “dissimulação” e a “integração de bens à economia formal”. Há quem acredite ainda em uma quarta fase, como o Juiz Fausto de Sanctis, que é a “reciclagem”, ou seja, o apagamento de todos os indícios anteriores à lavagem.

Como já mencionamos aqui, a ocultação diz respeito à movimentação de pequenas quantias de valores auferidos na prática criminosa, de modo a não chamar a atenção das autoridades. Há ainda o depósito em contas de terceiros, a conversão em moeda estrangeira etc. O mascaramento, a seu turno, tem como sinônimo a dissimulação do capital. É composto por transações financeiras que afastam os valores escondidos da sua origem ilícita. A integração dos bens à economia, por sua vez, é a introdução dos valores na economia formal. Bottini explica ainda que esta operação confere aparência de licitude aos bens, pois se misturam a valores obtidos em atividades lícitas e lavados nas operações de dissimulação.

Diante dessa divisão escalonada, há entendimento de que não basta a mera dissimulação dos valores para a configuração do delito de lavagem de dinheiro, ou seja, o simples ato de “ocultá-los” ou “escondê-los”, consoante a fria e cega letra da lei. Segundo esta corrente, exigem-se atos adicionais que levem às demais fases acima mencionadas, como por exemplo, a tentativa de reintegrar os bens à economia formal.

Ao que se percebe, esta linha de pensamento compreende que o termo “ocultar” é tido e exige finalidade específica de dar aparência lícita aos valores auferidos em conduta anterior criminosa, isto é, deve haver um certo “quê” de subjetividade, não bastando por si só a mera intenção de esconder os valores.

Por outro lado, existem estudiosos que sustentam a materialidade da lavagem de dinheiro unicamente na simples não revelação de valores, pois afinal, segundo eles, a legislação sequer exige a reintrodução dos valores nos ciclos da economia para configurar o tipo penal da lavagem. A materialidade da lavagem exsurge, assim, tão somente pela adequação da conduta do agente ao significado do dicionário.

Filiamo-nos à primeira corrente, na qual o mero ato de esconder valores provenientes de delitos anteriores é conduta atípica: para que se materialize a lavagem de capitais, é preciso comprovar a intenção de mascarar e de reintroduzir os valores ilícitos na economia, pois é disso que é feita a lavagem.

É bem verdade que o princípio da legalidade estabelece que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa, senão em virtude de lei, expresso no artigo 5º, inciso II, da CF. Todavia, mais do que a letra fria da lei, é preciso compreender a intenção do legislador ao criar as normas, saber os motivos que o levaram a usar certos termos em detrimento de outros.

No caso da lavagem de capitais, certa é a intenção de punir, não apenas a dissimulação dos valores, mas a sua reinserção na economia formal com aparência de licitude. Não fosse assim, estaríamos diante do crime de favorecimento real, com apenamento mais brando, e não do crime de lavagem de capitais. Mas isto é assunto para outro dia. lei de lavagem de dinheiro lei de lavagem de dinheiro lei de lavagem de dinheiro

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Sobre os Autores

Advogada (RS)

Deixe seu comentário

comentários