ArtigosViolência Doméstica

Como identificar se você está vivendo um relacionamento abusivo

Canal Ciências Criminais
relacionamento abusivo

Como identificar se você está vivendo um relacionamento abusivo

Neste artigo, vamos discutir um pouco sobre o tema e avaliar as atitudes, comportamentos, emoções e dores que envolvem um relacionamento não saudável.

Primeiramente, é necessário manter a calma e entender o que seria um relacionamento abusivo e identificar se você estaria passando por uma situação assim, pois, em muitos casos, a vítima nem sabe o que é.

Portanto, um relacionamento abusivo é aquele em que um dos membros recorre a estratégias abusivas de poder e controle para dominar a relação, como abusos físicos, sexuais, psicológicos ou econômicos [1].

O agressor tenta exercer comando sobre todos os aspetos da vida da vítima, incluindo decisões sociais, pessoais, profissionais e financeiras. Em muitos casos caracterizados por um jogo de controle, violência e ciúmes, os abusos podem começar com qualquer atitude que priva a pessoa da própria liberdade, como por exemplo exigir que o abusado dê informações constantes a respeito do seu dia a dia.

Ao mencionarmos a questão do relacionamento abusivo é comum que as pessoas idealizem a relação amorosa entre um casal, principalmente a relação em que o homem é abusador e a mulher é a vítima. Mas o abuso também acontece com a inversão desses papéis, onde a mulher também pode ser abusiva.

Lembrando que a violência conjugal ocorre tanto em relações heterossexuais como homossexuais. E os agressores tanto podem ser homens como mulheres, o importante é reconhecer no outro um padrão de comportamento com o objetivo de ameaçar, intimidar, desumanizar ou sistematicamente debilitar a autoestima de outra pessoa [2]. Por isso, importante ressaltar que as relações abusivas podem ocorrer em algum tipo de relacionamento, seja esse amoroso, entre amigos, profissional ou familiar.

Portanto, ao primeiro sinal é preciso se afastar. Estar em um relacionamento abusivo não é saudável mentalmente e fisicamente. Nessas situações é comum que a vítima se sinta mal consigo, que sofra com a autoestima baixa, insegurança, ansiedade, depressão ou até mesmo violência doméstica. 

Sinais de um relacionamento abusivo

Abaixo apresentaremos alguns exemplos e se por acaso você se identifica com o assunto aconselhamos que separe um momento para refletir sobre o porquê de isso estar acontecendo, além de procurar alguém de sua confiança para te ajudar a identificar se realmente o abuso ocorre.

Você pode estar vivendo um relacionamento abusivo se:

  • O outro faz você se sentir ridicularizado;
  • Os ciúmes são excessivos;
  • O outro é extremamente inseguro;
  • Seu parceiro afirma que todos os problemas da relação são loucura da sua cabeça;
  • É comum você ouvir do seu companheiro: “se você me deixar, nunca vai encontrar alguém melhor”
  • Você enxerga o abusador como alguém superior a você e que não poderia viver sem ele;
  • O controlador se mostra controlador em relação às suas ações, as pessoas com quem você interage e com quem você dialoga;
  • Controla as roupas que você usa;
  • O outro usa de intimidação e te faz ameaças;
  • Apresenta reações excessivas e explosíveis diante de situações simples. 
  • As agressões são constates em sua vida, sejam elas físicas, morais ou psicológicas;
  • Ao conversar, o outro faz com que você se sinta culpada pelo que está sentido.
  • Te proíbe sair sozinho ou com amigos;
  • Controla suas redes sociais;
  • Força a ter relações sexuais ou a fazer coisas que não te agradam;
  • Não te apoia, apenas te critica.

Como sair de um relacionamento abusivo

O primeiro passo para sair é compreender que sua relação não é saudável. O segundo passo é querer mudar. E existe mecanismo para tal mudança!

Não sinta medo! Pois o medo traz sofrimento, te impede de sair desse relacionamento e é um ingrediente fundamental para que milhares de pessoas se mantenham submetidas a relações degradantes. 

Entretanto, a lei assegura a vítima e disponibiliza medidas para assegurar a integridade da vítima de violência ou abuso, antes que o abusador descubra o processo.

Todavia, a melhor maneira de sair de um relacionamento abusivo e violento é através de estratégia e do apoio de profissionais que possam auxiliar nas mais diversas frentes. Também não se culpe e entenda que o problema não é você, e nada melhor que profissionais experientes no assunto para te ajudar, pois em muitas vezes só os amigos não são suficientes. 

Reunir a documentação necessária para agir em situações de emergências, guardar provas e um advogado especializado podem ser os passos mais seguros.

Apresentaremos alguns exemplos de circunstâncias que podem ser resolvidas judicialmente e que podem auxiliar no processo de saída deste relacionamento:

Pensão alimentícia 

Geralmente quem detém o poder econômico na relação é o abusador, desta forma, a vítima tem medo de não conseguir o seu sustento ou que o padrão de vida decaia, levando a manter-se no relacionamento abusivo.

No entanto, a lei prevê o pedido de pensão alimentícia para ex-companheiro (a). Sendo necessário a comprovação da existência de uma dependência financeira e este auxílio será disponibilizado para a mantença e durante o tempo necessário para que a vítima se restabeleça no mercado de trabalho.

Existindo agressão e abuso, o juiz determinará de imediato a prestação de alimentos, conforme o art. 22 da Lei Maria da Penha:

Constatada a prática de violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos desta Lei, o juiz poderá aplicar, de imediato, ao agressor, em conjunto ou separadamente, as seguintes medidas protetivas de urgência, entre outras:

V – prestação de alimentos provisionais ou provisórios.

Guarda dos filhos

A regra geral de guarda dos filhos, é que ambos os pais possam exercê-la em igualdade, sendo definida judicialmente uma moradia e uma rotina de convivência. No entanto, caso a relação entre um dos pais e os filhos seja problemática, ou caso haja alguma conduta desabonadora de um dos genitores, a situação será avaliada pela Justiça, com amparo técnico, de modo a proteger a integridade psicológica das crianças e adolescentes

Quando a relação de um dos genitores com os filhos é abusiva, ou quando os filhos também são vítimas de uma dinâmica familiar violenta, a guarda costuma ser concedida àqueles que ofereçam mais segurança e paz aos filhos (mãe, pai, e até mesmo avós ou tios). O contato com o genitor agressor pode ser restringido temporariamente, até que se estabeleça a retomada do convívio de forma benéfica e segura. 

Medidas protetivas

Grande parte da população de vários países vê a violência contra a mulher como aceitável ou justificada, principalmente quando existe suspeita de adultério ou quando a mulher se recusa a ser subserviente. 

A Lei Maria da Penha estabelece que todo o caso de violência doméstica e intrafamiliar é crime, deve ser apurado através de inquérito policial e ser remetido ao Ministério Público. Esses crimes são julgados nos Juizados Especializados de Violência Doméstica contra a Mulher, criados a partir dessa legislação, ou, nas cidades em que ainda não existem, nas Varas Criminais.

A lei também tipifica as situações de violência doméstica, proíbe a aplicação de penas pecuniárias aos agressores, amplia a pena de um para até três anos de prisão e determina o encaminhamento das mulheres em situação de violência, assim como de seus dependentes, a programas e serviços de proteção e de assistência social. 

De acordo com o CNJ, as principais inovações da Lei Maria da Penha:

Os mecanismos da Lei:

  • Tipifica e define a violência doméstica e familiar contra a mulher.
  • Estabelece as formas da violência doméstica contra a mulher como física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.
  • Determina que a violência doméstica contra a mulher independe de sua orientação sexual.
  • Determina que a mulher somente poderá renunciar à denúncia perante o juiz. 
  • Ficam proibidas as penas pecuniárias (pagamento de multas ou cestas básicas).
  • Retira dos juizados especiais criminais (Lei n. 9.099/95) a competência para julgar os crimes de violência doméstica contra a mulher.
  • Altera o Código de Processo Penal para possibilitar ao juiz a decretação da prisão preventiva quando houver riscos à integridade física ou psicológica da mulher.
  • Altera a lei de execuções penais para permitir ao juiz que determine o comparecimento obrigatório do agressor a programas de recuperação e reeducação. 
  • Determina a criação de juizados especiais de violência doméstica e familiar contra a mulher com competência cível e criminal para abranger as questões de família decorrentes da violência contra a mulher. 
  • Caso a violência doméstica seja cometida contra mulher com deficiência, a pena será aumentada em um terço.

A autoridade policial:

  • A lei prevê um capítulo específico para o atendimento pela autoridade policial para os casos de violência doméstica contra a mulher.
  • Permite prender o agressor em flagrante sempre que houver qualquer das formas de violência doméstica contra a mulher.
  • À autoridade policial compete registrar o boletim de ocorrência e instaurar o inquérito policial (composto pelos depoimentos da vítima, do agressor, das testemunhas e de provas documentais e periciais), bem como remeter o inquérito policial ao Ministério Público. 
  • Pode requerer ao juiz, em quarenta e oito horas, que sejam concedidas diversas medidas protetivas de urgência para a mulher em situação de violência.
  • Solicita ao juiz a decretação da prisão preventiva.

O processo judicial:

  • O juiz poderá conceder, no prazo de quarenta e oito horas, medidas protetivas de urgência (suspensão do porte de armas do agressor, afastamento do agressor do lar, distanciamento da vítima, dentre outras), dependendo da situação.
  • O juiz do juizado de violência doméstica e familiar contra a mulher terá competência para apreciar o crime e os casos que envolverem questões de família (pensão, separação, guarda de filhos etc.).
  • O Ministério Público apresentará denúncia ao juiz e poderá propor penas de três meses a três anos de detenção, cabendo ao juiz a decisão e a sentença final.

Vida nova

Se ame acima de tudo e caso você se identificou com o texto, entenda que ninguém deve viver um relacionamento assim. Você pode até não imaginar, mas há saída, além de um mundo inteiro e saudável esperando por você!


NOTAS

[1] Staff writer. «Violence wheel». Domestic Abuse Violence Project (aka Duluth Model). Consultado em 18 de abril de 2014. 

[2] Follingstad, Diane R.; DeHart, Dana D. (Setembro de 2000). «Defining psychological abuse of husbands toward wives: contexts, behaviors, and typologies». Journal of Interpersonal Violence, pg. 891–920. 


Quer estar por dentro de todos os conteúdos do Canal Ciências Criminais?

Siga-nos no Facebook e no Instagram.

Disponibilizamos conteúdos diários para atualizar estudantes, juristas e atores judiciários.

Continue lendo
Receba novidades em seu e-mail